Por unidade, Doria quer que Leite e Virgílio contribuam com programa tucano

A expectativa é de que candidato escolhido do PSDB ao Palácio do Planalto se reúna na tarde desta quinta-feira com o governador do Rio Grande do Sul

Gustavo Uribeda CNN

de Brasília

Ouvir notícia

Na tentativa de reunificar o PSDB, o governador de São Paulo, João Doria, iniciou estratégia de pacificação tanto com Eduardo Leite quanto com Arthur Virgílio, derrotados na disputa interna de prévias do partido.

Segundo relatos feitos à CNN Brasil por aliados do tucano, em um esforço de reaproximação, Doria quer que Leite tenha algum tipo de participação em sua campanha à sucessão presidencial, nem que seja à distância.

Por isso, o governador de São Paulo considera sugerir ao gaúcho que contribua com bandeiras ou propostas no plano de governo que ele pretende apresentar para a sucessão ao Palácio do Planalto. O mesmo aceno deve ser feito ao ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio.

O esforço de Doria tem sido o de fidelizar o apoio de ambos à sua campanha eleitoral. O tucano quer evitar que aliados de ambos apoiem outras candidaturas, como a do presidente Jair Bolsonaro, do PL.

O aceno de aproximação será feito nesta quinta-feira (9) entre Doria e Leite. A expectativa é de que o encontro seja realizado durante a tarde, no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista.

Após as prévias tucanas, Doria chegou a sinalizar com um posto a Leite em sua futura equipe de campanha, mas o governador gaúcho disse que a gestão estadual o impedia de assumir um posto fora do Rio Grande do Sul.

A colaboração com propostas e bandeiras ao programa de governo seria uma forma, dizem aliados do paulista, de permitir a participação de Leite mesmo à distância, envolvendo-o na campanha eleitoral.

Nesta quarta-feira (8), Doria teve um encontro reservado com o ex-juiz federal Sérgio Moro, na casa da presidente nacional do Podemos, Renata Abreu. O objetivo da reunião foi criar uma ponte política entre o Podemos e o PSDB.

Veja os possíveis candidatos à Presidência da República em 2022

O esforço de Moro é tentar criar uma frente de centro que lhe garantam alianças para o ano que vem. Até o final do ano, o ex-juiz federal também pretende se reunir com os senadores Simone Tebet, do MDB, e Alessandro Vieira, do Cidadania, ambos postulantes à Presidência da República.

Mais Recentes da CNN