Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Prefeitura de SP recusa emendas de Tabata e Erika Hilton

    Secretaria de Saúde fala em "uso político" e diz que valor seria insuficiente para obra

    Pedro Venceslauda CNN

    São Paulo

    A Prefeitura de São Paulo recusou emendas das deputadas Tabata Amaral (PSB) e Erika Hilton (PSOL) para a construção de quatro Centros de Atenção Psicossocial (Caps) em projetos cadastrados no Programa de Aceleração do Crescimento Seleções (PAC Seleções).

    As parlamentares fazem oposição ao prefeito Ricardo Nunes. A notícia foi revelada pelo jornal Estado de S.Paulo e confirmada pela CNN.

    A assessoria de Tabata recebeu um e-mail, ao qual a CNN teve acesso, no qual uma assessora da Secretaria Municipal de Saúde acusa o recebimento do ofício sobre a emenda e alega ser “inviável” o recebimento do recurso.

    Na mensagem, ela alega que as unidades beneficiadas “não dispõem da titularidade do imóvel” pretendido para a implantação do CAPS.

    “Acrescentamos que o valor de R$ 2.496.000.00 disponibilizado para investimento do PAC não alcançará o valor total da obra, que está estimado em R$ 8.000.000,00 aproximadamente”, disse a servidora.

    Segundo a assessoria de Erika Hilton, que é aliada de Guilherme Boulos, a pasta alegou que o terreno tem um “declive acentuado” que impossibilita a construção.

    Em nota enviada à CNN, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) disse que desde 2017 a prefeitura de São Paulo entregou 19 novos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) para a cidade.

    “A pasta ressalta que os terrenos pertencem à prefeitura e os recursos oferecidos pelas parlamentares para as construções dos Caps, por meio do PAC, não são suficientes nem para começar as obras”.

    Ainda segundo a secretaria, para as Unidades Básicas de Saúde (UBS), o PAC ofereceu 50%, e a SMS optou por priorizar a construção de novas UBSs por se tratar de uma prioridade da população e porta de entrada do Sistema Único de Saúde (SUS).

    “A pasta lamenta a tentativa de fazer uso político de um tema tão importante para a população paulistana e reitera que segue um planejamento técnico rigoroso para executar projetos de saúde”, disse a nota.