Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    PT defende reeleição de Lula em 2026 em documento publicado nesta quarta

    Resolução convoca a militância para se organizar em relação às eleições de 2024

    Lula chegou a dizer que candidatura de Biden, nos EUA, à reeleição é estímulo para ele também concorrer em 2026
    Lula chegou a dizer que candidatura de Biden, nos EUA, à reeleição é estímulo para ele também concorrer em 2026 Ricardo Stuckert / PR

    Pedro Jordãoda CNN

    São Paulo

    O Partido dos Trabalhadores (PT) defende a reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2026.

    A posição consta em documento divulgado no site oficial da legenda nesta quarta-feira (30).

    A resolução convoca a militância para se organizar em relação às eleições de 2024, considerando-as “momento estratégico” para recondução de Lula no pleito de dois anos depois.

    “É preciso organizar a batalha político-eleitoral desde já (…) e promover a mobilização social no maior número possível de municípios para (…) reeleger Lula em 2026 e fortalecer nosso projeto democrático e popular de país”, diz o texto.

    Lula está em seu terceiro mandato como presidente da República do país, tendo feito seus dois primeiros governos de 2003 a 2010. Até o momento, ele não confirmou se deverá concorrer à reeleição.

    No começo do mês passado, porém, Lula chegou a dizer que a candidatura do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, à reeleição é um “estímulo” para ele também disputar o pleito brasileiro de 2026.

    Ao longo da campanha eleitoral de 2022, ele chegou a dizer que não tinha interesse em um quarto mandato e relacionar isso a sua idade avançada. Lula terá 81 anos em 2026. Nos EUA, Biden, que terá 82 anos na corrida eleitoral do ano que vem, é considerado velho demais pela maioria dos eleitores para ser presidente por mais quatro anos.

    O documento do PT também proíbe, expressamente, o apoio em 2024 de seus políticos e sua militância a candidatos e candidatas identificados com o bolsonarismo.

    Veja também: Governo recua e apoia PEC das Forças Armadas restrita a eleições