‘Queimamos relações diplomáticas construídas nos últimos 30 anos’, diz professor

À CNN, Roberto Dumas afirmou que Ernesto Araújo atuou de maneira ideológica no comando do Ministério das Relações Exteriores

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

O especialista em geopolítica e professor do Insper Roberto Dumas afirmou, em entrevista à CNN nesta segunda-feira (29), que um dos grandes problemas de Ernesto Araújo – que pediu demissão do cargo de ministro das Relações Exteriores – foi achar que ele poderia “dizer o que pensa” em um cargo de diplomata.

“Você não deve romper relações, deve construir relações que interessam ao Brasil. Nos últimos meses queimamos etapas e relações diplomáticas construídas nos últimos 30 anos. Não é questão de ‘eu falo o que penso’. Nenhum diplomata pode fazer isso, porque eles falam em nome do Brasil,” afirmou Dumas.

O professor afirmou também que Araújo atuou de maneira ideológica no comando do ministério, e criticou o fato de o ministro defender suas ações citando a soberania brasileira.

“Fizeram de tudo para destruir as relações do Brasil e afetar o multilateralismo mundial. A ideologia não pode prevalecer acima dos interesses brasileiros; Araújo acabou fazendo tudo o contrário do que diz a diplomacia. É crucial que o pragmatismo seja levado em consideração”, disse Dumas.

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, durante cúpula do Mercosul
O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, durante cúpula do Mercosul
Foto: Marcos Corrêa/PR (2.jul.2020)

Outro ponto criticado pelo professor do Insper foi o que chamou de “subserviência” de Araújo com políticas defendidas por Donald Trump, citando a recusa brasileira sobre a quebra de patente de vacinas contra a Covid-19 como uma ação motivada por desejos pessoais do ex-presidente americano – e que, segundo ele, afetou o Brasil.

(Publicado por Daniel Fernandes)

Mais Recentes da CNN