Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ricardo Nunes diz à CNN que força dos ventos de sexta foi quase de tornado e pegou todos de surpresa

    Segundo o prefeito, alguns locais da capital paulista registraram rajadas de mais de 100km/h, o que era visto em São Paulo desde 1995

    Pedro Jordãoda CNN

    São Paulo

    Em entrevista à CNN, o prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), comparou os ventos que atingiram a cidade na sexta-feira (3) à magnitude de um tornado e disse que o fenômeno pegou a todos de surpresa — motivo pelo qual muitos problemas ocorreram.

    “Infelizmente, fomos surpreendidos com esse [vento] quase que um tornado, mas estamos buscando reestabelecer [a cidade] o quanto antes”, disse.

    “O que a gente teve ontem aqui foi um evento excepcional, onde a rajada de vento, em alguns locais, passou de 100km/h. Desde 1995, nós não temos histórico de um vento dessa magnitude que pegou São Paulo”, completou Nunes.

    Ainda assim, o prefeito negou que os problemas tenham sido motivados por falta de precaução, exemplificando que, até 30 de outubro, 10 mil árvores foram removidas e outras 150 mil foram podadas.

    “Tem um trabalho contínuo da prefeitura de São Paulo nas 32 subprefeituras, monitorando”.

    Nunes disse ainda que sua gestão está atenta às mudanças climáticas globais.

    “A cidade de São Paulo, ela e mais duas só, são três no mundo, que têm secretaria de Mudança Climática, para cuidar desse tema. A gente está muito antenado nessas questões”, afirmou.

    Nunes também apontou alguns números das consequências da chuva. Houve, por exemplo, 1.400 chamadas para quedas de árvores, disse.

    “A Enel nos relatou que tinha 1,4 milhão de pessoas sem energia, e 450 mil já foram reestabelecidas. E a Enel nos deu um prazo de que, até terça-feira, consegue reestabelecer a energia da cidade”.

    “É muito complexo o que aconteceu, e eu tenho aqui, como prefeito, a função de cobrar a Enel para a gente reestabelecer a cidade o quanto antes”.

    O prefeito destacou que entre as prioridades para o reestabelecimento de energia estão as escolas que realizarão o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no domingo (5).

    Além disso, a prefeitura tenta agilizar a retirada de árvores das vias públicas, o que depende primeiro do desligamento da energia pela Enel.

    Mais cedo, o governador do estado de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), disse à CNN que montou uma força-tarefa com o governo federal e as distribuidoras de energia para garantir a realização do Enem. A informação é da apresentadora da CNN Raquel Landim.

    Questionado sobre a situação do enterramento da fiação na cidade, Nunes disse que, apesar de ser algo caro, o trabalho vem sendo feito regularmente.

    “Isso aqui [São Paulo] ‘é um país’. É bom a gente sempre estar ressaltando. São 12 milhões de habitantes. São 6.500 semáforos, são 70.000 pontos de luz na cidade. Quando a gente fala de São Paulo, a gente tem que entender a magnitude do que é. É tudo com impacto muito grande”, disse.

    As regiões com mais ocorrências foram oeste, em primeiro lugar, e sul, na sequência. “São as regiões que têm maior número de árvores”, explicou. “Só dentro do Parque Ibirapuera, caíram 128 árvores”, relatou o prefeito.

    Veja também: Situação deve ser normalizada até terça (7), diz Nunes