Seap diz que ida de Roberto Jefferson para hospital particular depende da Justiça

Secretaria de Administração Penitenciária do Rio de Janeiro afirmou que não se opõe a entrada de médicos particulares para atenderem ex-deputado

Roberto Jefferson apresentou pressão baixa, febre alta e calafrios no domingo (24), segundo sua defesa
Roberto Jefferson apresentou pressão baixa, febre alta e calafrios no domingo (24), segundo sua defesa Valter Campanato/Agência Brasil

Douglas PortoGabriel Hirabahasida CNN

em São Paulo e Brasília

Ouvir notícia

A Secretaria de Administração Penitenciária do Rio de Janeiro (Seap), em manifestação enviada nesta segunda-feira (25) ao Supremo Tribunal Federal (STF), relatou que não se opõe a entrada de médicos particulares no Complexo de Gericinó, em Bangu, para atenderem ao ex-deputado federal Roberto Jefferson. Entretanto, a possibilidade de sua transferência para um hospital particular precisa ser levada à apreciação da Justiça.

A defesa de Jefferson pediu ao STF que o ex-deputado seja transferido do Hospital do Complexo Penitenciário de Gericinó onde está internado, para o Hospital Samaritano da Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio. O relator da petição apresentada é o ministro Alexandre de Moraes.

Segundo a manifestação da Seap, para que os médicos particulares de Jefferson tenham acesso à penitenciária é necessária a autorização do Secretário de Administração Penitenciária, Fernando Veloso, ou com determinação da Justiça que tenha “a finalidade de expressamente deferir o pedido em questão”.

No domingo (24) Jefferson apresentou pressão baixa, febre alta e calafrios. De acordo com a nota da Seap, ele “foi prontamente atendido, sendo encaminhado ao Pronto Socorro Geral Hamilton Agostinho, no Complexo de Gericinó, onde seguirá sendo observado, após orientação médica, para realização de um exame de ultrassonografia, na próxima terça-feira (26).”

O ex-deputado está preso desde o mês de agosto após determinação de Alexandre de Moraes. Ele é acusado de participar de uma suposta milícia digital que realizou ataques às instituições democráticas. A organização criminosa teria sido montada, principalmente, para atacar a eleição de 2022. Sua defesa nega.

 

Mais Recentes da CNN