Senador Arolde de Oliveira morre após contrair Covid-19

Arolde de Oliveira faleceu por volta das 21h desta quarta-feira, no Hospital Samaritano, em Botafogo, por complicações do novo coronavírus

Stéfano Salles da CNN, no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

 

O senador Arolde de Oliveira, do PSD do Rio de Janeiro, morreu na noite desta quarta-feira (21) após contrair a Covid-19. A informação foi confirmada pelas páginas oficiais do senador nas redes sociais. Ele tinha 83 anos e estava no cargo desde fevereiro de 2019.

“Comunicamos que nesta noite (dia 21 de outubro) o Senhor Jesus recolheu para si nosso amado irmão, Senador Arolde de Oliveira. Falecido vítima de Covid e como consequência a falência dos órgãos. A família agradece o carinho e orações. Mais informações à posteriori”, consta na mensagem publicada na página oficial do parlamentar.

Arolde de Oliveira faleceu por volta das 21h desta quarta-feira, no Hospital Samaritano, em Botafogo, Zona Sul do Rio de Janeiro.

O corpo de Arolde de Oliveira será cremado nesta sexta-feira (23) no Memorial do Carmo, no Caju, região portuária do Rio.

Ele estava internado havia mais de 15 dias no local e, segundo colegas de partido, tinha apresentado sinais de melhora. Saiu do CTI e foi levado para o quarto, quando houve esperança de cura. No entanto, ele piorou, voltou para a terapia intensiva, onde foi entubado, e não resistiu. 

Arolde de Oliveira
O senador Arolde de Oliveira (PSD-RJ)
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

A família do senador tratou o período de internação de forma discreta, e a doença só foi descoberta pelo menos uma semana depois. 

O deputado federal Hugo Leal (PSD) disse que ele, os companheiros de partido e familiares ficaram surpresos. 

“Ele se recuperou bem e tínhamos certeza, mas certeza de que ele sairia dessa. Confiávamos muito, mas ele piorou bastante de repente. Ele tinha ficado com sequelas da Covid-19 e precisou ser entubado, mas os efeitos da doença em si já tinham passado, eram desdobramentos”, afirmou o parlamentar.

O senador Arolde de Oliveira é o quarto político de expressão do Rio de Janeiro a morrer vítima da Covid-19. Antes dele morreram os deputados estaduais Gil Vianna (PSL) e João Peixoto (DC) e o prefeito de Duas Barras, na Região Serrana, Luiz Carlos Lutterbach (PP).

Perfil

Antes de chegar ao Senado, Arolde foi deputado federal por nove mandatos, entre 1983 e 2019.

Nas últimas eleições, se candidatou a senador, conquistando a segunda vaga pelo Rio de Janeiro com 2,3 milhões de votos, o equivalente a 17,06% dos votos. Ele superou por menos de 1% aquele que era o favorito para a vaga no início da campanha, o ex-prefeito César Maia (DEM), que ficou com 16,67% em 3º lugar.

A primeira ficou com o filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o então deputado estadual Flávio Bolsonaro (que estava filiado ao PSL, hoje pertencendo ao Republicanos). 

Assista e leia também:

Fiocruz: Todas as regiões do país estão na zona de risco para Covid-19
Especialista da OMS explica estudo que infectará voluntários com Covid-19
Brasil tem 86,2% da população adulta acima do peso

O crescimento de Arolde se deu na reta final da campanha. Seu nome ganhou força junto à mobilização digital dos eleitores bolsonaristas, que impulsionaram também a eleição do agora governador afastado Wilson Witzel (PSC). O movimento em direção à escolha do governador foi detectado pelas pesquisas, mas em direção à eleição do senador, não. 

Arolde era presidente do PSD fluminense, que tem Hugo Leal como um dos vice-presidentes. Quem assume a sequência do mandato é o advogado Carlos Portinho (PSD). Ele tem 47 anos e também é vice-presidente do partido no estado e assessor parlamentar no gabinete de Hugo Leal.

Pesar

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), divulgou nota em que elogia a atuação de Arolde de Oliveira durante o período dele como senador e lamenta a sua morte. Alcolumbre decretou luto oficial no Senado.

“Deputado federal por nove legislaturas, Arolde de Oliveira chegou ao Senado Federal em 2018, e a esta Casa trouxe a experiência legislativa, o surpreendente poder de comunicação e o exemplo de sua conduta afetuosa e cordata”, escreveu Alcolumbre.

Pelas redes sociais, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) lamentou que “um grande guerreiro se foi”. 

“Meu irmão @AroldeOliveira, é assim que vou me lembrar de você, sorridente, competente e dedicado ao cargo que exerceu. Que Jesus o receba de braços abertos”, escreveu o filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), junto com uma foto dos dois durante a campanha de 2018.

Em nota, o presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, disse que a legenda “recebe com enorme pesar a notícia do falecimento do senador Arolde de Oliveira, aos 83 anos, no Rio de Janeiro”. “Eleito para o Senado em 2018 pelo Rio de Janeiro com 2,3 milhões de votos, Arolde de Oliveira era economista e engenheiro, especialista em telecomunicações. Foi deputado federal por nove mandatos, um democrata que dedicou sua vida à política e à defesa dos interesses dos brasileiros, especialmente dos fluminenses. Natural de São Luiz Gonzaga, no Rio Grande do Sul, Oliveira deixa a mulher Yvelise de Oliveira, e a filha Marina de Oliveira. À toda sua família, aos amigos e eleitores, o PSD transmite votos de profundo pesar.”

Com informações de Guilherme Venaglia, da CNN, em São Paulo

Mais Recentes da CNN