Urna eletrônica e voto impresso não se misturam, diz ex-presidente do STF e TSE

Carlos Ayres Britto explicou que testou eficiência do sistema da urna eletrônica enquanto era presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2008

Douglas PortoJuliana Alvesda CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Carlos Ayres Britto, disse em entrevista à CNN, nesta quarta-feira (25), que a urna eletrônica e o voto impresso não podem se misturar. A Proposta de Emenda à Constituição 135/19, conhecida como PEC do voto impresso, amplamente defendida pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), foi rejeitada na Câmara dos Deputados em 10 de agosto.

Foram 229 votos favoráveis, 218 contrários e uma abstenção. Como não obteve os 308 votos necessários para ser votada em segundo turno, a PEC foi arquivada.

“A urna eletrônica assegura o respeito e sigilo a cláusula pétrea do sigilo do voto. É auditável eletronicamente. Ela não tem nada a ver com o voto impresso. Porque o voto impresso se viabiliza por máquinas impressoras. E as máquinas impressoras seguem uma tecnologia de retaguarda que é eletromecânica ao passo que a urna eletrônica é outra tecnológica muito mais avançada. Urna eletrônica e voto impresso são como água e óleo não se misturam”, disse Ayres Britto.

“Eu me lembro quando me estive na presidência [do TSE] inaugurei uma prática boa os testes públicos de segurança, em 2008, nós convocamos os ‘experts’ em informática, inclusive hackers para que contribuíssem para o aperfeiçoamento da urna eletrônica ou mostrassem pontos de fragilidade de modo a comprometer o sigilo do voto. E inclusive oferecemos para quem contribuísse para essa forma de um jeito ou de outro. É possível aperfeiçoar a urna eletrônica. Substituir e mesclar tecnologicamente com o voto impresso é uma temeridade”, continuou.

Bolsonaro passou a criticar o atual presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, dizendo que ele “presta um desserviço para a população brasileira” e que estava “querendo impor a sua vontade” ao se colocar contra o voto impresso.

O TSE entrou com uma notícia-crime no STF contra Bolsonaro por uma live em suas redes sociais na qual novamente atacou o processo eleitoral brasileiro. Ele é acusado de propagar notícias falsas e atacar as instituições democráticas do país, principalmente Barroso. No dia 12 de agosto foi acolhida a segunda notícia-crime contra o presidente por causa da divulgação nas redes sociais de um inquérito sigiloso do tribunal eleitoral, que apura invasão nos sistemas da Corte.

Mais Recentes da CNN