Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Waack: A PGR é quase como um quarto poder da República

    Atenções voltadas para a Procuradoria-Geral da República, que terá mudança na chefia com a saída de Augusto Aras na terça-feira (26)

    Novo procurador-geral da República deverá ser escolhido pelo presidente Lula
    Novo procurador-geral da República deverá ser escolhido pelo presidente Lula Antonio Augusto/Secom/PGR

    William Waackda CNN

    São Paulo

    Lula deixou terminar o mandato do procurador-geral da República e ainda não anunciou quem será o novo.

    O cargo é importantíssimo para qualquer presidente, seja por fazer muito, seja por fazer quase nada.

    De fato, é impossível pensar a política brasileira nos últimos 20 anos (pelo menos) sem considerar a atuação do procurador-geral da República.

    Eles estiveram no centro das principais crises recentes, seja por terem ou não terem denunciado o presidente.

    Por terem sido identificados com o corporativismo de uma instituição que se julgou a única protetora de uma sociedade indefesa diante da corrupção, por exemplo, ou por terem sido identificados como servis diante do chefe do executivo, que é quem os reconduz ou não ao cargo.

    O procurador-geral da República comanda por dois anos o Ministério Público, que tem como função defender perante o poder judiciário as leis e a sociedade. Na prática, é quase como se fosse um quarto poder, pois dispõe de autonomia e independência, e seus integrantes desfrutam também das garantias dadas a juízes.

    Sim, de fato, a lei que dispõe sobre as atribuições do Ministério Público confere muitos poderes aos integrantes do órgão e poucas formas de controle sobre a atuação deles.

    Mas não é essa questão fundamental que está em discussão no momento. O que está em jogo é uma delicadíssima nomeação.