Mandetta: recomendação da OMS de testar toda a população é 'desperdício'


Da CNN Brasil em São Paulo e em Brasília
18 de março de 2020 às 17:12 | Atualizado 18 de março de 2020 às 17:14
Bolsonaro (C) informou que o ministro de Minas e Energia está com coronavírus

O presidente Jair Bolsonaro (C) informou que o ministro de Minas e Energia foi diagnosticado com coronavírus

Foto: Reprodução/ CNN Brasil

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, criticou nesta quarta (18) a recomendação da OMS (Organização Mundial da Saúde) de que toda a população seja submetida a testes para conter o avanço da pandemia do novo coronavírus (COVID-19).

"Do ponto de vista sanitário, é um desperdício de recursos preciosos para as pessoas", disse. "Uma coisa é ter um país como a Coreia do Sul, que não é muito maior que o Sergipe, a Bahia. É totalmente diferente de um continente como o Brasil. Vamos lutar discutindo com os nossos especialistas". Para ele, não há kits suficientes no mundo para fazer o teste extensivamente.

O ministro falou em coletiva do governo federal para anunciar as novas medidas para a contenção da COVID-19: estudos para o fechamento das fronteiras e um pacote de ajuda financeira para proteger trabalhadores autônomos dos efeitos econômicos da pandemia no Brasil.

O número de mortes subiu para três nesta quarta, todas em São Paulo. De acordo com a última atualização do Ministério da Saúde, há outros 291 casos confirmados em todo o país.

Leia também: 

Guedes anuncia R$ 15 bilhões adicionais para informais e autônomos

Unidades do Minha Casa, Minha Vida poderão ser usadas em quarentena

Na mesma entrevista coletiva, o governo anunciou que dois ministros testaram positivo para o novo vírus: o general Augusto Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional, e Bento Albuquerque, que comanda a pasta de Minas e Energia. 

Bolsonaro disse que as medidas foram tomadas assim que a doença se tornou um grande problema no país e citou a liberação de R$ 4 bilhões, a antecipação do 13º salário para aposentados.

Sergio Moro (ministro de Justiça e Segurança Pública) ressaltou o fechamento da fronteira com a Venezuela e a restrição parcial ou total de visitas em presídios. "Não é punição, é proteção. Temos que proteger os presos, mas seria simplista abrir os portões e deixar a população vulnerável", justificou.

Bolsonaro e as manifestações

Bolsonaro cumprimenta apoiadores em frente do Palácio do Planalto

Bolsonaro quebra quarentena e cumprimenta apoiadores em frente do Palácio do Planalto

Foto: Adriano Machado/Reuters (15.mar.2020)

Durante sua fala, Bolsonaro se defendeu das acusações de ter convocado a população para os atos em favor de seu governo no último domingo (15), ao afirmar que “o povo resolveu por livre e espontânea vontade se manifestar”.

Ele voltou a dizer que o vídeo compartilhado por ele no mês passado fazia referência a um ato em 2015 —mesmo que a sequência mostrasse imagens do atentado a faca que sofreu durante a campanha eleitoral de 2018.

O presidente também minimizou os efeitos de sua participação nos protestos pró-governo deste domingo (15). Disse que outros eventos com grande concentração de pessoas também aconteceram, citando a festa de lançamento da CNN Brasil, que aconteceu na semana anterior, no dia 9 de março — antes que houvesse recomendação do Ministério da Saúde para evitar aglomerações.