Sem isolamento, SP teria esgotado leitos de UTI em 6 de abril, diz levantamento

Estudo feito pelo Observatório COVID-19 considera arriscado reduzir o isolamento social, mesmo em municípios que têm mais de 50% dos leitos disponíveis

Luiz Fernando Toledo Da CNN, em São Paulo
24 de abril de 2020 às 08:49 | Atualizado 24 de abril de 2020 às 16:56
55% dos leitos de UTI do estado de Sâo Paulo estão ocupados, segundo dados da Secretaria de Estado da Saúde
Foto: CNN

Se não houvesse distanciamento social em São Paulo, todos os leitos já estariam ocupados no dia 6 de abril. Essa é a conclusão de um cálculo feito pelo Observatório COVID-19, que reúne pesquisadores da USP, Unesp, Unicamp, UFABC, UnB, entre outras instituições.

Os pesquisadores apontam que, no início da epidemia na capital paulista, a ocupação dos leitos com casos graves confirmados do novo coronavírus era de 0,8% dos leitos totais, segundo a base oficial de notificações SIVEP-GRIPE. Naquele momento, o número de casos da doença duplicava rapidamente – entre 2 e 3 dias, segundo cálculos feitos entre os dias 14 e 19 de março.

Com base nessas informações, os pesquisadores estimaram que haveria esgotamento do sistema de saúde em apenas 18 dias, caso nenhuma medida de controle de contágio tivesse sido tomada e o número de leitos se mantivesse constante. Em outra simulação, somente com leitos de UTI, o resultado é parecido: haveria esgotamento em 14 dias, segundo o levantamento. A quarentena foi adotada oficialmente pelo Estado de São Paulo no dia 24 de março.

O levantamento usou um modelo logístico que simula o número de infectados, suscetíveis e hospitalizados por classe etária, seguindo a distribuição etária da população do município de São Paulo.

Assista e leia também:

União vai custear 220 leitos de UTI em cinco estados

Ocupação dos leitos de UTI por COVID-19 chega a 65% na capital paulista

"A comparação é importante, por exemplo, para o gestor público ter as condições necessárias para tomar a melhor decisão em termos de administração e de política pública, em especial em um momento de extrema gravidade como é o atual. Nosso modelo, apesar de hipotético, utiliza dados reais de número de leitos e de casos na cidade", escreveram os pesquisadores.

O grupo também considera que é arriscado reduzir o isolamento social, mesmo em municípios que têm mais de 50% dos leitos disponíveis. Nesta semana, o governo João Doria (PSDB) disse que o estado deve retomar a atividade econômica a partir de 11 de maio, com medidas que devem variar de acordo com a situação de casos e disponibilidade de leitos nos municípios paulistas. Na prática, deve haver relaxamento das medidas de quarentena, a começar por cidades do interior

"Mesmo em cidades onde pacientes com COVID-19 ocupam atualmente uma porcentagem baixa dos leitos, a ocupação total de leitos pode ser atingida muito rapidamente sem medidas preventivas", escreve o Observatório.

"Medidas preventivas, como o isolamento social, aumentam o tempo de duplicação da doença e, portanto, diminuem a velocidade de ocupação dos leitos de hospitais. Iniciar as medidas preventivas somente quando 50% dos leitos estiverem ocupados pode ser muito tarde, já que o número de hospitalizados por COVID-19 aumenta exponencialmente, e os efeitos de medidas preventivas podem demorar para afetar o número de hospitalizações."

Cumprimento à quarentena

Os dados do sistema de monitoramento inteligente do Estado de São Paulo apontam que entre 50% e 60% dos paulistas têm ficado em casa. O sistema usa dados de linhas de celular para o monitoramento. Na terça-feira (21), feriado de Tiradentes, 57% das pessoas ficaram em casa, segundo o sistema. Aos domingos, este índice chega a 59%.

Leia também:

Com medidas de isolamento, SP não deve ter pico da COVID-19, diz secretário

74% da economia de SP está funcionando, afirma Doria ao detalhar reabertura

Esses números variam se analisados os municípios individualmente. Na capital, por exemplo, o cumprimento à quarentena tem ficado entre 48% e 53%, exceto nos finais de semana. Pode-se dizer que houve um relaxamento da população em relação ao início da medida, em abril. Entre o dia do anúncio da quarentena e o dia 8 de abril, o índice de cumprimento sempre esteve acima de 50%. Na última quarta-feira, foi de 48%.

O governo entende que o ideal é que 70% da população fique em casa, mas este valor só foi atingido em dias específicos para alguns municípios. Em Cajamar, por exemplo, que fica na região metropolitana e tem menos de 100 mil habitantes, o índice de isolamento ficou entre 66% e 70% nos finais de semana.

O Estado de São Paulo fica em décimo quinto lugar no ranking nacional de isolamento social, segundo um monitoramento feito pela empresa de tecnologia Inloco. O dado mais recente é do dia 21 de abril. De acordo com a plataforma, Goiás (64,4%), Pernambuco (62,7%) e Ceará (62,7%) têm os melhores índices. Do outro lado ficam Rondônia (54,93%), Mato Grosso do Sul (54,68%) e Roraima (51,38%), com os índices mais baixos.