Apenas seis estados brasileiros estão em dia com metas da vacinação contra gripe

Quatro estados brasileiros vacinaram menos de 10% do esperado para a segunda fase da campanha, segundo o Ministério da Saúde

Guilherme Venaglia, da CNN, em São Paulo
18 de maio de 2020 às 19:51
A vacinação é uma das formas de facilitar o diagnóstico dos casos suspeitos do novo coronavírus, pois a gripe e a Covid-19 têm sintomas semelhantes
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Apenas seis dos 27 estados brasileiros alcançaram a meta esperada para a segunda fase da vacinação contra a gripe, informou o Ministério da Saúde nesta segunda-feira (18).

Segundo o Ministério da Saúde, Alagoas, Goiás, Maranhão, Paraná, São Paulo e Sergipe alcançaram a meta. Os estados que ficaram mais distantes do planejado foram Roraima (3,6%), Amazonas (5%), Mato Grosso (6,7%) e Rondônia (8,4%).

O Ministério da Saúde não dispõe das informações de Distrito Federal, Piauí e Rio Grande do Norte. No panorama geral, o cumprimento da meta está em 37%.

Os números mostram a perda da força da campanha de vacinação, que foi antecipada de abril para março com a intenção de conter a disseminação de outros tipos de vírus que, assim como a Covid-19, podem provocar sintomas gripais e síndromes respiratórias agudas graves. A imunização abrange o H1N1, o H3N2 e a Influenza B.

Assista e leia também:

Na OMS, Brasil pede investigação sobre a pandemia e contraria a China

Pazuello deve apresentar novo protocolo sobre cloroquina ainda hoje a Bolsonaro

Cotado para Saúde, médico olavista não tem registro de título de psiquiatria

Na primeira fase, que abrange idosos e profissionais da saúde e se iniciou logo após a eclosão da pandemia, todos os estados brasileiros atingiram a meta.

A segunda fase é a que pretende vacinar profissionais de segurança pública e salvamento, pessoas com doença crônica, caminhoneiros, profissionais de transporte coletivo, povos indígenas, profissionais do sistema prisional, presos e adolescentes cumprindo medidas socioeducativas.

O país iniciou no último dia 11 a terceira fase, que abrange pessoas com deficiência, crianças entre 6 meses e 6 anos, gestantes, mulheres até 45 dias após o parto, professores e pessoas entre 55 e 59 anos de idade. Segundo o secretário substituto de Vigilância em Saúde, Eduardo Macário, pessoas da primeira e da segunda fases continuam a poder se vacinar na terceira fase. Portanto, ainda há a possibilidade de que esse cenário seja melhorado até o final da campanha de vacinação.