Correspondente Médico: abuso de poder é uma questão de saúde mental?

Fernando Gomes avaliou o episódio do desembargador multado por se recusar a usar máscara em praia de Santos

Da CNN
20 de julho de 2020 às 08:32

 

O desembargador Eduardo Siqueira foi multado em R$ 100 pela Prefeitura de Santos (SP) após se recusar a usar máscara de proteção em público durante a tarde do último sábado (18). Em vídeos gravados por oficiais da Guarda Civil Municipal de Santos, Eduardo aparenta estar nervoso com a multa cobrada e com a situação de imposição do uso da máscara, medida obrigatória imposta no decreto nº 8.944, de 23 de abril de 2020.

Em entrevista à CNN no domingo (19),o prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), comentou o caso e disse que a lei deve valer para todos.

Na edição desta segunda-feira (20) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes explicou como o cérebro reage diante das situações de abuso de poder e as consequências causadas pela 'imposição'.

Leia também:

'Não tenho relação com esse senhor', diz secretário mencionado por desembargador

Corregedoria vai apurar conduta de desembargador que rasgou multa

"Nós temos três andares evolutivos e precisamos entender isso para construir esse nosso pensamento e compreender o que acontece em situações como este. Todos temos uma parte do cérebro chamada de reptiliano, que trabalha as situações de instinto e sobrevivência; temos o sitema límbico, que traz a percepção das emoções e por último, o neocórtex processa as informações. É este conjunto que cria a sensação de que uma pessoa pode ser melhor que a outra", explica.

Questionado sobre como o ser humano reage à situações de humilhação, o médico afirma que "a pessoa precisa ter um entendimento maior da situação para que isso não afete íntimo e venha a diminuir a sua autoestima"

"Lidar com esta sensação hierárquica e de bom senso, muitas vezes acaba sendo um desafio para as pessoas. A gente tem, sim, a influência genética e uma questão de formação e evolução humana em sociedade.", finalizou.

(Edição: Luiz Raatz)