Correspondente Médico: Como a 'saudade da aglomeração' faz alguns se arriscarem?


Da CNN
24 de julho de 2020 às 09:34 | Atualizado 24 de julho de 2020 às 10:16

A aglomeração sem máscara em bares, quando o país já registrava 63 mil mortes pela Covid-19, é um dos exemplos de conduta de risco observada durante a pandemia no Brasil – que matou, até agora, 84.082 pessoas, segundo o Ministério da Saúde.

A edição desta sexta-feira (24) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, trouxe falou sobre a "saudade da aglomeração" e como ela faz com que as pessoas se arrisquem a retomar atividades não essenciais.

Leia também:

Rui Costa culpa festas por surtos de Covid-19 em cidades da Bahia
Capital paulista não deve mais ir para a fase verde nesta sexta
Brasil registra segundo maior número de novos casos de Covid-19 em 24 horas

O neurocirurgião Fernando Gomes ressalta que essa "saudade" tem relação com o fato das pessoas "serem seres sociais".

"Durante o processo de contato, nós conseguimos acionar dois circuitos: o do olfato e o responsável pelo contato físico", aponta ele.

O primeiro mecanismo "entra direto para a área do prazern que é outra relacionada com a memória". Já o segundo, "estimula a liberação de ocitocina, que é um neurotransmissor relacionado à formação de vínculos. Isso traduz para a gente uma sensação de bem-estar, aconchego, prazer e conexão entre as pessoas", pontua.

É por isso que, segundo ele, trata-se de um desafio trabalhar com a necessidade de mudar os comportamentos sociais do ser humano.

"Sem contar que temos a memória de como era o nosso 'velho normal", acrescenta. "Uma pessoa que nunca foi ao show não vai ter saudade disso, mas quem tinha esse hábito tem vontade de voltar e experimentar aquela sensação", exemplifica.

Por fim, Gomes afirma que, para além das informações científicas, o instinto humano já ajuda a identificar quais atividades causam mais risco.

"É uma outra informação, além da técnica. Se você acha que a atividade é mais divertida ou tem mais relevância, então há um risco maior", conclui ele, que cita estádio e cultos como os locais de maior risco. 

(Edição: Sinara Peixoto)