Hospital de Israel desenvolve teste instantâneo para Covid-19 a partir de saliva


Reuters
13 de agosto de 2020 às 12:59

Um novo teste desenvolvido em Israel utiliza a saliva para determinar em menos de um segundo se uma pessoa está ou não infectada com o novo coronavírus, informou nesta quinta-feira (13) o Sheba Medical Center. 

Os pacientes lavam a boca com uma solução salina e a cospem em um frasco. Esse líquido é então examinado por um pequeno dispositivo espectral que, em termos simples, ilumina a amostra e analisa a reação para ver se é consistente com Covid-19.

Os pesquisadores prometem que, como o sistema usa aprendizado de máquina, o exame ficará ainda mais preciso ao longo do tempo. 

Eli Schwartz, do Centro de Medicina Geográfica e Doenças Tropicais do Sheba Medical Center, que lidera o estudo, disse que o novo método é mais fácil de usar do que os swabs dos testes RT-PCR comumente usados para detectar a Covid-19 através de um cotonete inserido na narina.

“Até aqui, tivemos resultados muito promissores neste novo método, que será muito mais conveniente e barato”, disse.

Assista e leia também:

Entenda quais são os diferentes tipos de teste para a Covid-19
Cientistas desenvolvem teste que pode detectar Covid-19 em menos de 20 minutos
Um a cada três testes do tipo RT-PCR em SP dá positivo para Covid-19

Teste instantâneo desenvolvido em Israel pode detectar o novo coronavírus pela s

Teste instantâneo desenvolvido em Israel pode detectar o novo coronavírus pela saliva

Foto: Reuters

O centro médico afirmou que em um teste clínico inicial envolvendo centenas de pacientes, o novo dispositivo com uso de inteligência artificial identificou evidências do vírus no corpo com uma taxa de sucesso de 95%.

Amos Panet, especialista em virologia molecular da Universidade Hebraica de Jerusalém, disse que precisa ver mais dados e comparações com os testes existentes antes de ter uma opinião definitiva.

A quantidade de vírus presente na saliva aumenta à medida que os pacientes ficam mais doentes, disse ele, e um grande desafio é detectar em "pessoas que estão no limite [da infecção]".

"Será um divisor de águas se tivermos a validação desta tecnologia em relação à tecnologia atual", disse ele.

Sheba, localizada nos arredores de Tel Aviv, fez uma parceria com o desenvolvedor do dispositivo, a empresa israelense Newsight Imaging, para lançar o sistema no mercado.

A empresa disse que está em processo de aprovação regulatória. Cada teste custa menos de US$ 25 centavos (cerca de R$ 1,34) e espera-se que o dispositivo que faz a análise custe menos de US$ 200 (cerca de R$ 1 mil).