Correspondente Médico: Quais as causas e os sintomas do câncer de cólon?

O ator Chadwick Boseman, que protagonizou o filme Pantera Negra, morreu vítima da doença, contra a qual lutava havia quatro anos

Da CNN
31 de agosto de 2020 às 11:32

O ator Chadwick Boseman, que protagonizou o filme Pantera Negra, morreu na noite de sexta-feira (28), aos 43 anos. 

Segundo um anúncio da família publicado nas redes sociais, ele enfrentava um câncer no cólon (parte central do intestino grosso), há quatro anos. A doença do ator não era conhecida até o momento.

Na edição desta segunda-feira (31) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes explicou quais são as causas e os sintomas do câncer no cólon. 

Leia e assista também:

Chadwick Boseman: relembre os principais papéis que marcaram sua carreira
Chadwick Boseman: artistas lamentam morte do ator de ‘Pantera Negra’
Chadwick Boseman deixa legado para a cultura negra, avalia crítico de cinema

Correspondente Médico: Fernando Gomes explica quais são as causas e os sintomas do câncer no cólon, que levou à morte do ator Chadwick Boseman, que protagonizou o filme Pantera Negra
Foto: CNN (31.ago.2020)

"O câncer colorretal acaba sendo o segundo tipo mais comum no mundo. No Brasil, são aproximadamente 41 mil novos casos só neste ano, segundo o Instituto Nacional de Câncer", explica Gomes, acrescentando que há alguns fatores de risco para esse tipo de doença.

"Dieta muito rica em carne vermelha e pobre em fibras, os hábitos de fumar e ingerir bebida alcoólica, além do sedentarismo e obesidade e doenças crônicas do aparelho digestivo, principalmente no cólon", esclarece sobre os riscos.

Os sintomas da doença incluem dores, sangue nas fezes, diarreia ou prisão de ventre, além da perda de peso. "Então pode ter um caráter indolente, que apareça de uma forma lenta e progressiva", aponta.

Por fim, Gomes frisa a importância de uma boa alimentação. "Por isso que é tão importante comer salada, legumes e frutas. [A alimentação] pode ocasionar e tem uma correlação maior com o surgimento desse tipo de câncer", conclui.

"Existe evidentemente uma correlação genética, mas também com os nossos hábitos, principalmente os alimentares", encerra.

(Edição: André Rigue)