Chadwick Boseman deixa legado para a cultura negra, avalia crítico de cinema


Lorena Lara, da CNN em São Paulo
29 de agosto de 2020 às 13:36 | Atualizado 29 de agosto de 2020 às 14:13

A morte precoce do ator norte-americano Chadwick Boseman, aos 43 anos, na noite de sexta-feira (28), surpreendeu fãs do cinema e desencadeou uma série de homenagens ao astro, em todo o planeta. Em comum, as manifestações têm a forte lembrança do papel mais conhecido do ator: T'Challa, em Pantera Negra, lançado em 2018.

O filme de super-heróis, que ganhou 3 Oscars e faturou mais de US$ 1 bilhão nos cinemas, também é marcado por ter um elenco majoritariamente negro.

Para o crítico de cinema Marcelo Forlani, do portal Omelete, Boseman deixa grande legado, mesmo com uma carreira curta.

"Ele fez sempre personagens muito fortes, muito importantes para a cultura negra americana", disse Forlani, citando não só Pantera Negra, mas outros personagens interpretados pelo ator.

Chadwick Boseman morreu aos 42 anos depois de passar 4 anos lutando contra a doe

Chadwick Boseman morreu aos 42 anos depois de passar 4 anos lutando contra um câncer no cólon

Foto: Mario Anzuoni - 16.jun.2018 / Reuters

"Foi Jackie Robinson, o primeiro jogador negro de baseball a atuar na Major League. Depois, fez o James Brown. Fez o Thurgood Marshall, que foi o primeiro negro a entrar para a Suprema Corte americana", pontuou o crítico.

Leia mais:

Chadwick Boseman: artistas lamentam morte do ator de ‘Pantera Negra’

Hamilton homenageia Chadwick Boseman: "Wakanda Forever"

Para Forlani, a morte de Boseman tem um impacto ainda maior pelo momento em que ocorre – em meio a protestos antirracistas nos Estados Unidos, que ganharam novo fôlego com o caso Jacob Blake.

"Ele [Chadwick Boseman] era um ponto de esperança para muita gente. E vai muito cedo. Ainda tinha muita coisa para mostrar para a gente, mas vai ficar, com certeza, como uma mensagem positiva", disse.

Boseman descobriu o câncer no cólon em 2016, mas manteve a doença em segredo. À época, o ator trabalhava nas filmagens de Marshall. Em seguida, atuou em O Destacamento Blood, dirigido por Spike Lee.

"E tem um filme inédito dele, que é o Ma Rainey's Black Bottom, com a Viola Davis. Estava programado para este ano, mas com os cinemas fechados, ainda não tem data de lançamento", explicou Forlani.

Além do longa, o ator tinha outros trabalhos agendados. "Um deles era a participação, mais uma vez, como Pantera Negra, na animação que vai ser lançada no serviço de streaming da Disney, que é o What If. É o personagem do Pantera Negra em versões paralelas do universo".

"Depois, ele estava também escalado para fazer o Yasuke, que é o único samurai negro de que se tem notícia, do século XVI. É quase uma lenda a existência desse samurai, que trabalhava junto com o Shogun", disse o crítico de cinema.