Correspondente Médico: Quais os perigos da obesidade?


Da CNN
10 de setembro de 2020 às 10:34

A obesidade é um dos fatores que traz mais risco para o desenvolvimento de quadro grave da Covid-19, segundo uma pesquisa da Universidade de São Paulo (USP). No Brasil, quase 60% das pessoas estão com sobrepeso, de acordo com dados do Ministério da Saúde.

Na edição desta quinta-feira (10) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes explica como a obesidade traz riscos para a saúde de modo geral e em caso de contaminação pelo novo coronavírus.

Leia e assista também:
Sobrepeso e obesidade aumentam risco de infecção grave pela Covid-19, diz estudo
Obesidade infantil aumenta em meio ao isolamento social, diz estudo
Obesidade gera risco porque corpo trabalha no limite, diz médico sobre Covid-19
Agachamento, polichinelo e abdominal são bons exercícios para se fazer em casa

Correspondente Médico: o neurocirurgião Fernando Gomes fala sobre obesidade

Correspondente Médico: o neurocirurgião Fernando Gomes fala sobre riscos da obesidade para a saúde e em caso de Covid-19

Foto: CNN (10.set.2020)

"A obesidade é fator de risco para problemas cardiovasculares, como infarto do miocárdio, acidente muscular encefálico e outras doenças como, por exemplo, câncer e pressão alta", detalha o médico.

Segundo ele, a obesidade pode ser encarada como uma doença crônica, que nada mais é do que uma manifestação inflamaória sistêmica, que atinge todo o corpo. 

Em relação ao novo coronavírus, Gomes esclarece que a obesidade é o "mais forte fator de risco independente" para a manifestação clínica de uma forma mais grave da doença, além das evidências de que o vírus pode ficar armazenado no tecido adiposo por mais tempo. "Isso pode deixar a pessoa ainda mais vulnerável à Covid-19", destaca.

"Então, se a gente pode controlar algo, [manter] o peso talvez seja a medida mais eficaz que podemos tomar em conjunto com todas as outras (distanciamento e uso de máscara) para, caso tenha o novo coronavírus, não tenha uma manifestação clínica tão ruim assim", acrescenta.

Gomes frisa que nem sempre a alimentação é o único fator que causa a obesidade e recomenda orientação médica para essa avaliação. "Pode estar relacionado com uma alteração hormonal, por exemplo, então precisa ter um olhar mais geral", orienta.

Para além dessa recomendação, ele dá uma dica de por onde começar a mudar os hábitos: comer menos e praticar exercícios. E conclui: "Controlar o peso é algo importante porque faz, sim, ter uma vida mais saudável".

Obesidade e Covid-19

À CNN, a coordenadora do estudo da USP, Sílvia Sales-Peres, professora da USP-Bauru, disse que a pesquisa comprova algo que já era citado por especialistas em relação aos efeitos da obesidade em quadros clínicos da doença. 

"Essas pessoas [obesas] já vão apresentar alguns graus de inflamação crônica, além de ter redução na produção de citocinas antinflamatórias e aumento nas citocinas pró-inflamatórias", descreveu a professora.

Esse quadro pode fazer com que as doenças pulmonares sejam agravadas. "Também apresentam algumas células prejudicadas, justamente as responsáveis pelos anticorpos", acrescentou.

"São vários fatores que podem concorrer ao mesmo tempo para favorecer, inclusive, o agravamento da Covid-19. No caso desses indivíduos, o vírus pode ficar armazenado nessa rede do tecido adiposo, fazendo com que tenha um tempo maior de progressão", completou a pesquisadora.

Em abril, um estudo realizado nos Estados Unidos já havia apontado a obesidade como um complicador para a doença causada pela infecção por Covid-19. Além disso, o Ministério da Saúde já havia apontado uma tendência para esse aspecto nas mortes registradas e citado que trata-se de fator de risco.

(Edição: André Rigue)