Sputnik V só será aplicada após aprovação das agências, diz secretário da Bahia

Secretário da Saúde do Estado da Bahia, Fábio Vilas-Boas diz que acordo com a Rússia garante vacina para um quarto da população brasileira

Da CNN, em São Paulo
11 de setembro de 2020 às 16:57 | Atualizado 11 de setembro de 2020 às 16:57

O acordo do governo da Bahia com a Rússia para a compra de 50 milhões de doses da vacina contra o novo coronavírus, a Sputnik V, gerou desconfiança pela falta de informação que o medicamento tem na comunidade médica internacional.

Em entrevista à CNN, na tarde desta sexta-feira (11), o secretário da Saúde do Estado da Bahia, Fábio Vilas-Boas, minimizou a questão e disse que a vacina só será aplicada após aprovação da Anvisa da fase 3 de testagens.

“Existe muito ruído no entorno da vacina. A verdade é que os estágios de testes são semelhantes, a diferença é que o governo russo decidiu registar a vacina em seu território baseado na fase 1 e 2,” diz Vilas-Boas.

Leia também

Após acordo com a Rússia, governador da BA critica politização de vacinas

Fauci diz 'duvidar seriamente' que Rússia tenha provado segurança de vacina

Sputnik V: Vacina entra hoje na fase 3 de testes, diz ministro da saúde russo

Fábio Vilas-Boas, secretário da Saúde da Bahia
Foto: CNN (11.set.2020)

“Para vacinar a população, as agências reguladoras precisarão analisar resultados de fase 3. A Sputnik V só será aplicada quando a Anvisa aceitar os resultados da última fase de testes.”

O secretário também destaca que após a aprovação das vacinas, o mundo vai realizar corrida para a compra dos medicamentos e ressaltou que nenhum laboratório conseguirá dar conta de fornecer o produto para o mundo inteiro.

“O acordo comercial fechado com a Rússia prevê que, quando a vacina estiver disponível, poderemos vender ao governo brasileiro até 50 milhões de doses. Assim garantimos vacina para um quarto da população brasileira após aprovação do medicamento aprovado pelos órgãos regulatórios.”