Natural e importante, diz Pazuello sobre retomada dos testes da vacina de Oxford


Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  
12 de setembro de 2020 às 13:51 | Atualizado 12 de setembro de 2020 às 17:40
Funcionária da Unifesp em local de teste de vacina contra Covid-19

Funcionária da Unifesp em local onde potencial vacina contra Covid-19 de Oxford está sendo testada

Foto: Amanda Perobelli/Reuters (24.jun.2020)

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, considerou normal e importante a pausa e a retomada dos testes da vacina de Oxford contra a Covid-19, de acordo com auxiliares com quem o ministro conversou nesta manhã. 

O ministro reiterou que o importante é garantir a vacina comprovadamente eficaz e segura para os brasileiros.

Leia mais:
Universidade de Oxford retoma testes de vacina contra a Covid-19
Estudo no Brasil também deve ser retomado, diz instituição responsável por teste
Anvisa espera anuência de órgão inglês para retomar testes da vacina de Oxford

Em nota, o Ministério da Saúde informou que os ensaios clínicos com a vacina ChAdOx-1 nCoV-19, desenvolvida pela Universidade de Oxford com o laboratório AstraZeneca, serão retomados em todos os países participantes e a decisão foi informada ao Brasil na manhã deste sábado.

"O país aguarda liberação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e do Comitê Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) para que os estudos prossigam, também com os voluntários brasileiros".

O ministério reiterou que além da vacina da AstraZeneca também acompanha mais de 200 estudos em andamento. " "O objetivo é encontrar uma solução efetiva e segura para a cura e prevenção da Covid-19. Não serão economizados esforços para disponibilizar aos brasileiros, tão cedo quanto possível, uma vacina eficiente - em quantidade e qualidade para atender a população", disse.

O Brasil tem até sexta-feira para anunciar se vai aderir ao grupo da ONU para o acesso global e equitativo da vacina, chamado de COVAX Facility, em que haverá ajuda na produção e distribuição da vacina para países pobres. Atualmente, o Brasil faz parte do conselho da ONU que discute essa ação. Na primeira reunião do Conselho, na quinta-feira passada, Pazuello afirmou que caso o Brasil opte pela adesão poder a ser o maior contribuinte.

A Anvisa está reunida neste momento e a decisão deve sair neste sábado.