Brasil registra mais 661 mortes e 23.227 novos casos de Covid-19 em 24 h

Ministério da Saúde anunciou nesta terça-feira a compra de doses da vacina Coronavac, desenvolvida pela chinesa Sinovac Biontech

Luana Frazão*, em São Paulo
20 de outubro de 2020 às 19:02
Comércio de rua em Brasília
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Ministério da Saúde registrou nesta terça-feira (20) 23.227 novos casos confirmados de Covid-19 e 661 mortes por causa da doença. O total de infectados no Brasil soma então 5.273.954, as mortes em decorrência dos vírus chegam a 154.837.

O boletim divulgado todos os dias pelo Ministério da Saúde considera os casos registrados por estados e municípios em um período de 24 horas a partir das 16h do dia anterior, independentemente da data da ocorrência.

Leia e ouça também:
Brasil deve reabastecer estoques de insumos para 2ª onda, alerta cientista
Não existe obrigatoriedade, e sim orientação, diz Gorinchteyn sobre vacinação
Podcast: Os resultados da Coronavac e o desenvolvimento das vacinas para Covid-19

Compra de vacinas

Depois de reunião entre representantes do Ministério da Saúde e governadores de estados, o órgão nacional autorizou a compra de 46 milhões de doses da Coronavac, a vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela biofarmacêutica chinesa Sinovac.

A vacina está sendo testada no Brasil em parceria com o Instituto Butantã, firmada pelo governo do estado de São Paulo. Técnicos do Instituto foram à Brasília apresentar as informações exigidas pelo Ministério sobre a vacina em fase final de testes.

Acrescentadas as 46 milhões de doses da Coronavac, o Brasil pode chegar, pelos acordos já definidos, a um total na casa de 188 milhões de doses de imunizantes contra a Covid-19.

Como as principais vacinas em teste trabalham com duas doses, esse total seria o equivalente à vacinação de cerca de 44% da população brasileira.

Para ser distribuído e aplicado na população, o imunizante precisa ser aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O governo de São Paulo anunciou nessa segunda-feira (19) que a vacina Coronavac teve os menores índices de reação adversa em comparação com outros imunizantes contra o novo coronavírus.

(*Supervisão Sinara Peixoto)