A linha do tempo da suspensão dos testes da vacina Coronavac

Enquanto o Instituto Butantan rechaça a posição da Anvisa, o órgão federal alega que não recebeu informações suficientes para a retomada dos estudos

Da CNN, em São Paulo
10 de novembro de 2020 às 20:07 | Atualizado 10 de novembro de 2020 às 20:13

 

A paralisação dos estudos de fase 3 da vacina coronavac após o suicidio de um voluntário gerou uma série de reações de diversos agentes políticos do Brasil.

Enquanto o Instituto Butantan (responsável pela condução dos estudos e fabricação da vacina) rechaça a posição da Anvisa de não retomar os testes após a confirmação da causa da morte do voluntário, o órgão federal alega que não recebeu informações suficientes para a retomada dos estudos.

Leia também

Gorinchteyn se diz 'perplexo' por interrupção de estudos sem 'análise robusta'

Anvisa informa que recebeu posicionamento de comitê sobre situação da Coronavac

Comissão de pesquisas diverge da Anvisa e apoia sequência de testes da Coronavac

Veja a linha do tempo dos acontecimentos que levaram ao imbróglio:

29 outubro: morte do voluntário dos estudos de fase 3 da coronavac.

6 novembro: Instituto Butantan enviou informação da morte do voluntário, que não chegou à Anvisa e, função de problemas técnicos causados pelo ataque hacker a diversos órgãos públicos brasileiros.

9 novembro (18h): Anvisa recebe comunicação oficial do Instituto Butantan.

9 novembro (20h47): comunicação eletrônica enviada pelo Instituto Butantan.

9 novembro (21h25): publicação no portal da Anvisa sobre a suspensão dos estudos da fase 3 da Coronavac.

10 novembro (16h41): Comitê Internacional Independente comunicou a Anvisa sobre a morte do voluntário.

10 novembro (depois das 18h): ministro do Supremo Tribunal Federal Ricardo Lewandowski pediu explicações à Anvisa sobre a suspensão dos estudos em até 48h.

(Edição: Sinara Peixoto)