Anticorpos monoclonais serão aplicados em quem não pode tomar vacina


Da CNN, em São Paulo
22 de novembro de 2020 às 16:29


A AstraZeneca começou a recrutar 5 mil pessoas, neste fim de semana, para um teste de proteção contra a Covid-19 usando anticorpos monoclonais. Medicamento deve ser aplicado em quem não puder tomar a vacina. 

O imunologista e professor da Faculdade de Medicina da USP Jorge Kalil explica que os anticorpos monoclonais são altamente sofisticados. A ideia é induzir a produção de células e anticorpos que ajudam na defesa contra a doença e, depois, transferir passivamente para uma pessoa que já está infectada.

Kalil dá como exemplo o atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. “Quando não dá tempo para a pessoa fazer a vacina, porque ela já está infectada, você pode injetar anticorpos pré-formados. Foi o que aconteceu com o presidente Trump. Quando ele estava doente, administraram alguns anticorpos que ainda estavam sendo testados”.

A produção desses anticorpos monoclonais ocorre a partir do isolamento de uma célula produtora de anticorpos presente no corpo de uma pessoa que já foi infectada pela Covid-19.

“Você isola aquela célula, vê a informação genética da produção daquele anticorpo, depois transfere aquela informação de tal forma, para uma célula que produz em quantidades muito grandes. Ele é dito monoclonal porque é derivado de apenas uma célula - de um clone de células - e esses anticorpos são selecionados para que se liguem no lugar exato em que o vírus se liga no seu receptor. Então, ele neutraliza o vírus dessa forma”, explica o imunologista.

Leia e assista também:

The Lancet: Vacina de Oxford contra Covid-19 gera resposta imunológica em idosos

Vacinação contra Covid-19 pode começar em 11 de dezembro nos EUA

CEO da Moderna: dose da vacina deve custar de R$ 134 a R$ 199

(Publicado por Sinara Peixoto)