Vacina de Oxford tem eficácia média de 70%, podendo chegar a 90%

AstraZeneca anunciou que vacina, em parceria com Oxford, teve eficiência média de 70% na proteção contra novo coronavírus em dois segmentos do estudo

Por Diego Freire, da CNN, em São Paulo
23 de novembro de 2020 às 04:09 | Atualizado 23 de novembro de 2020 às 11:11

 


A AstraZeneca anunciou, nesta segunda-feira (23), que sua potencial vacina contra a Covid-19, desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford, apresentou eficácia média de 70% na proteção contra o vírus, considerando testes de voluntários em estudos de fase 2 e 3 no Reino Unido e no Brasil.

A farmacêutica destacou, porém, que as taxas variam dependendo a quantidade de doses que certos grupos receberam: entre os que foram vacinados com duas doses completas, a eficácia observada foi de 62%; enquanto, em outro grupo que recebeu uma dose inteira e outra fracionada, a eficácia sobe para 90%.

Os ensaios clínicos da vacina também estão sendo conduzidos nos EUA, Japão, Rússia, África do Sul, Quênia e países da América Latina, com o objetivo de chegar a até 60 mil voluntários, segundo a AstraZeneca. Os resultados divulgados nesta segunda, porém, envolvem apenas os voluntários envolvidos nos testes no Reino Unido e no Brasil.

Mais de 20 mil pessoas receberam doses nos testes até aqui. De acordo com a BBC, em todo o grupo analisado, foram confirmados 30 casos do novo coronavírus em pessoas que receberam doses da vacina e 101 no grupo que recebeu o placebo.

Leia também:
The Lancet: Vacina de Oxford contra Covid-19 gera resposta imunológica em idosos

Funcionária da Unifesp em local de teste de vacina contra Covid-19
Funcionária da Unifesp em local onde potencial vacina contra Covid-19 de Oxford está sendo testada
Foto: Amanda Perobelli/Reuters (24.jun.2020)


 

Ao noticiar os resultados, a BBC, emissora estatal britânica, considerou o resultado de todo o estudo "ao mesmo tempo um triunfo e uma decepção", considerando que as vacinas da Moderna e da Pfizer apresentaram recentemente taxas de efiácia superiores a 90%, mas ponderando que o imunizante britânico é muito mais barato e mais fácil de armazenar e chegar a todos os cantos do mundo do que os outros dois. Portanto, ainda terá um papel significativo no combate à pandemia, se for aprovado pelos reguladores".

Em subgrupo, eficácia pode chegar a 90%

A média de 70% se refere a todo o estudo, mas há uma diferença considerando a dose da vacina que foi aplicada a diferentes subgrupos.

Quando os voluntários receberam duas doses da vacina, a proteção foi de 62%, mas aumentou para 90% quando as pessoas receberam uma dose fracionada seguida de uma dose completa.

Os pesquisadores disseram não conhecer ainda as razões para a diferença entre os subgrupos, mas comemoraram os resultados.

 

Autoridades britânicas consideram resultados "fantásticos"

Logo após o anúncio, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, tuitou que os resultados representam uma notícia "incrivelmente empolgante".

"Notícia incrivelmente empolgante de que a vacina Oxford provou ser tão eficaz em testes. Ainda há mais verificações de segurança à frente, mas esses resultados são fantásticos. Parabéns aos nossos brilhantes cientistas da Universidade de Oxford e AstraZeneca e a todos os que se ofereceram nesses testes", escreveu Johnson.

O secretário de Saúde britânico, Matt Hancock, disse, em entrevista à Sky News, que os números divulgados nesta segunda-feira são "uma notícia fantástica", especialmente pela eficácia de 90% entre aqueles que receberam uma dosagem mais fraca.

"Estamos muito satisfeitos com esses resultados", disse o professor Andrew Pollard, um dos responsáveis pelos estudos estudos com a vacina, à BBC.

Pollard considerou que os dados de eficácia de 90% em uma parcela dos testados eram "intrigantes" e significariam que "teríamos muito mais doses para distribuir".

Leia também:
Governo já gastou R$ 1,2 bilhão em processo da vacina de Oxford, diz TCU

Anvisa relata morte de voluntário brasileiro em teste de vacina de Oxford

Governo não reaverá recursos se vacina de Oxford falhar

Parceria com o Brasil

Em 27 de junho, o governo brasileiro anunciou as negociações para uma parceria com o Reino Unido que permitiria o envio de doses e a produção da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford no Brasil.

Na ocasião, em uma coletiva do Ministério da Saúde sem a presença do então ministro interino Eduardo Pazuello, foram revelados detalhes prévios do acordo, com envio de tecnologia e insumos à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Em outubro, a Fiocruz apresentou os termos do contrato fechado com a  AstraZeneca para distribuição do imunizante. O documento não prevê lucro até julho de 2021 e a dose da vacina deve sair a pouco mais de US$ 3.

A previsão, segundo a Fiocruz, é produzir 200 milhões de doses em 2021.

 

(Com informações de Kate Holton e Aakash Jagadeesh Babu, da Reuters)