Eficácia não é único dado para vacinação ser efetiva, explica infectologista

Renato Kfouri, diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações, falou sobre eficácia de 70% do imunizante produzido pela AstraZeneca contra a Covid-19

Da CNN
23 de novembro de 2020 às 11:13 | Atualizado 23 de novembro de 2020 às 11:13

A AstraZeneca anunciou, nesta segunda-feira (23), que o imunizante produzido pela farmacêutica tem eficácia média de 70% contra o novo coronavírus. O médico Renato Kfouri, diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações, considerou o dado positivo, mas ressaltou que ele não é único fator a ser considerado sobre a efetividade da vacina.

"Para um programa [de vacinação] ser efetivo, o dado de eficácia não é único a ser levado em consideração. Não adianta ter eficácia de 90% se não tenho quantidade suficiente ou se não tem logística para transporte. Todo esse conjunto de informações é muito importante", disse.

"Às vezes, uma eficácia menor pode ser mais interessante em termos de rede pública. Se tivermos uma vacina que não necessite congelamento, seja mais barata, ou, que em vez de 30 milhões de doses tenhamos 100 milhões, a efetividade do programa acaba sendo maior", completou.

Leia mais:

Vacina de Oxford tem eficácia média de 70%, podendo chegar a 90%
Governo já gastou R$ 1,2 bilhão em processo da vacina de Oxford, diz TCU
Covid-19: Reino Unido espera começar a vacinar a população em dezembro

Laboratório da AstraZeneca em Sydney, Austrália
Foto: Dan Himbrechts - 19.ago.2020 / AAP Image via Reuters

(Publicado por Leonardo Lellis)