Após falhas, vacina de Oxford terá que passar por mais testes

Voluntários receberam meia dose por engano

da CNN, em São Paulo
26 de novembro de 2020 às 18:44


 

A farmacêutica Astrazeneca, que desenvolve a vacina contra a Covid-19 em parceria com a Universidade de Oxford, no Reino Unido, afirmou nesta quinta-feira (26) que deve fazer testes adicionais do imunizante. A decisão foi tomada depois de a empresa admitir que identificou um erro nas dosagens que um grupo de voluntários recebeu.

O imunizante da Astrazeneca foi desenvolvido para ser administrado em duas doses. Mas houve um erro na fabricação das doses dos testes clínicas, e alguns voluntários receberam uma menor concentração da vacina. Entretanto, os cientistas conversaram com os reguladores e decidiram mesmo assim seguir adiante com os testes. Mas nas pessoas que receberam as doses previstas, a eficácia foi de 62%. Já os voluntários que receberam uma dose e meia o imunizante se mostrou eficaz em 90%.

Assista e leia também:

Infectologista explica armazenamento da vacina de Oxford e da Coronavac

Vacina de Oxford tem eficácia média de 70%, podendo chegar a 90%

Possível vacina contra Covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford
Foto: Sean Elias - 04.abr.2020 / Divulgação / Reuters

(Publicado por Leonardo Lellis)