'A maioria das reações a vacinas não é alérgica', diz especialista

Imunologista Ariana Campos Yang destacou que causas de reações alérgicas em britânicos ainda segue em investigação

Da CNN, em São Paulo
09 de dezembro de 2020 às 17:18 | Atualizado 09 de dezembro de 2020 às 17:25

A agência reguladora de medicamentos do Reino Unido anunciou que duas reações alérgicas foram relatadas após o primeiro dia de vacinação contra a Covid-19 com o imunizante da Pfizer/BioNTech.

Em entrevista à CNN, Ariana Campos Yang, que é professora de Imunologia Clínica e Alergia, explicou que reações relacionadas a vacinas ocorrem com certa frequência, mas não costumam ser graves. No caso da Europa, as causas seguem em análise.

"A maioria das reações a vacinas não é alérgica. Nesse caso, que ainda será investigado, se for mesmo alergia, precisamos aguardar a conclusão sobre qual componente da vacina esteve envolvido na reação", disse a médica.

"Mas uma coisa que precisa ficar claro é que reação alérgica é algo muito específico. O sistema imune, quando reage com reação alérgica, é a um componente. Muito provavelmente, após a investigação e conclusão de qual foi o componente [que causou a reação], a orientação será específica para um grupo de alérgicos. Não serão todos os alérgicos que não poderão tomar a vacina", completou a especialista.

Leia também:

Pessoas com 'alergias significativas' não devem se vacinar, diz Reino Unido
Testes da vacina da Pfizer excluíram pessoas com histórico de alergias graves
Pazuello: 'Vacinação da Pfizer pode começar em dezembro ou janeiro'