Governo ainda estuda como viabilizar vacinas que precisam de ultra refrigeração

Medidas são importantes para conservação de imunizantes como o da Pfizer, que precisa ser mantido a -70ºC

Daniel Fernandes, da CNN, em São Paulo
12 de dezembro de 2020 às 17:07 | Atualizado 12 de dezembro de 2020 às 18:38
Medidas são importantes para conservação de vacinas como a da Pfizer
Foto: Dado Ruvic - 10.nov.2020/Reuters


O Plano Nacional de Imunização contra o novo coronavírus apresentado pelo Ministério da Saúde neste sábado (12) ao Supremo Tribunal Federal (STF) não apresenta propostas para viabilizar a “adequada incorporação” de imunizantes que precisem de ultra refrigeração, como o da Pfizer, por exemplo, empresa com a qual o governo negocia a compra de 70 milhões de doses.

“No que diz respeito às novas tecnologias que exigem Ultra Low Temperature (ULT), está em estudo pelo Ministério da Saúde soluções para a viabilização da adequada incorporação dos imunizantes que demandam tais condições”, diz o breve tópico do documento entregue hoje que aborda o assunto, sem detalhamentos das ações a serem tomadas.

Apesar de não detalhar como lidará com imunizantes que exigem ultra refrigeração, o governo exalta a Rede de Frio Nacional, e garante que a estrutura do Ministério da Saúde “mantém rigoroso monitoramento e controle da temperatura, desde as plantas produtoras até a instância local, onde acontece a vacinação dos usuários”. 

“A cada exposição acumulada da vacina a temperaturas mais quentes ou mais frias, ou ainda à luz, em qualquer etapa da cadeia, há uma perda de potência que não poderá ser restaurada”, aponta o ministério. 
Segundo o relatório, a Rede de Frio Nacional, organizada em cinco instâncias, viabiliza a logística de 300 milhões de doses de imunobiológicos distribuídas anualmente pelo Plano Nacional de Imunização.

Assista e leia também

Governo entrega ao STF plano nacional de imunização

Grupos prioritários para vacina somam 108 milhões de pessoas; veja quem são

Coronavac está entre vacinas "candidatas" em plano de imunização do governo

Veja quais são as fases de distribuição da vacina de acordo com plano do governo

Isolamento social duraria até 2 anos sem vacina, estima Ministério da Saúde

Plano de imunização do governo prevê 3 centros de distribuição; veja quais

Ameaça hacker

Além do desafio natural da distribuição das vacinas, outro problema pode atrapalhar a conservação de imunizantes que precisam de ultra refrigeração. No início deste mês, a IBM fez um alerta sobre hackers que visam empresas críticas para a distribuição de vacinas contra Covid-19, um sinal de que espiões digitais estão voltando sua atenção para o complexo trabalho logístico envolvido na imunização da população mundial contra o novo coronavírus.

A empresa de tecnologia da informação disse que descobriu "uma campanha global de phishing" focada em organizações associadas à "cadeia de refrigeração" da vacina Covid-19 - o processo necessário para manter as doses da vacina em temperaturas extremamente frias durante o transporte.

A Agência de Segurança Cibernética e de Infraestrutura dos Estados Unidos (CISA, em inglês) republicou o relatório, alertando os membros da Operação Warp Speed - a missão nacional de vacinação do governo dos Estados Unidos.