Ministério da Saúde pretende usar QR-Code para identificar cidadãos na vacinação

Pasta afirmou que o código de identificação deverá ser gerado por cada pessoa através do aplicativo Conecte SUS

Daniel Fernandes, da CNN, em São Paulo
12 de dezembro de 2020 às 18:59
Cada cidadão terá que fazer o QR-Code antes de se vacinar
Foto: CNN Brasil (2.dez.2020)


O Ministério da Saúde informou, no Plano Nacional de Imunização entregue ao STF (Supremo Tribunal Federal) neste sábado (12), que pretende criar um sistema de identificação através de QR-Code para as pessoas que se vacinarem contra o novo coronavírus.

De acordo com o plano da pasta, a medida serviria para “simplificar a entrada de dados e agilizar o tempo médio de realização do registro do vacinado” e também de integrar as informações com outros sistemas e a Rede Nacional de Dados em Saúde (RNDS).

O Ministério da Saúde afirmou que o código de identificação deverá ser gerado por cada pessoa através do aplicativo Conecte SUS. Porém, quem chegar aos postos de vacinação sem o QR-Code também será atendido, informou a pasta. Nesses casos as pessoas serão identificadas através do CPF ou do número do Cartão Nacional de Saúde. 

Assista e leia também

Governo entrega ao STF plano nacional de imunização

Grupos prioritários para vacina somam 108 milhões de pessoas; veja quem são

Coronavac está entre vacinas "candidatas" em plano de imunização do governo

Veja quais são as fases de distribuição da vacina de acordo com plano do governo

Isolamento social duraria até 2 anos sem vacina, estima Ministério da Saúde

Plano de imunização do governo prevê 3 centros de distribuição; veja quais

Pré-cadastro está em análise

O plano informa também que o Ministério da Saúde analisa algumas alternativas de pré-cadastro da população-alvo, pois é provável que as fases de vacinação tenham “como grupo prioritário categorias profissionais e portadores de comorbidades, e não somente grupos etários”.

De acordo com o plano, bases de dados serão importadas para habilitar o cidadão automaticamente para receber a vacina. 

“Entretanto, caso o cidadão comprove que faz parte do grupo prioritário e não está listado na base de dados do público-alvo, o profissional de saúde poderá habilitá-lo no SI-PNI para receber a vacina. A ausência do nome do cidadão na base de dados do público-alvo não deve ser impedimento para ele receber a vacina, desde que comprove que integra algum grupo prioritário”, diz o plano.