Ministério da Saúde prevê adiamento de vacinação em infectados pela Covid-19

Pasta afirmou que não há evidências, até o momento, de riscos com a vacinação para quem já teve a doença ou possui anticorpo detectável

Daniel Fernandes, da CNN, em São Paulo
12 de dezembro de 2020 às 18:29 | Atualizado 12 de dezembro de 2020 às 18:38
Ministério da Saúde divulgou Plano Nacional de Imunização neste sábado (12)
Foto: Diego VAra/Reuters (8.ago.2020)

O Plano Nacional de Imunização contra o novo coronavírus entregue pelo Ministério da Saúde neste sábado (12) ao Supremo Tribunal Federal (STF) prevê o adiamento da vacinação de pessoas infectadas pela doença, com o vírus ainda em período de incubação.

De acordo com o Ministério da Saúde, é improvável que a vacinação de indivíduos infectados ou assintomáticos tenha um efeito prejudicial sobre a doença. “Entretanto, recomenda-se o adiamento da vacinação nas pessoas com infecção confirmada para se evitar confusão com outros diagnósticos diferenciais”, afirma o plano divulgado neste sábado.

O plano prevê que, como a piora clínica pode ocorrer até duas semanas após a infecção, “idealmente a vacinação deve ser adiada até a recuperação clínica total e pelo menos quatro semanas após o início dos sintomas ou quatro semanas a partir da primeira amostra de PCR positiva em pessoas assintomáticas”.

A pasta afirma ainda que não há evidências, até o momento, de riscos com a vacinação para quem já teve a doença ou possui anticorpo detectável.

Assista e leia também

Governo entrega ao STF plano nacional de imunização

Grupos prioritários para vacina somam 108 milhões de pessoas; veja quem são

Coronavac está entre vacinas "candidatas" em plano de imunização do governo

Veja quais são as fases de distribuição da vacina de acordo com plano do governo

Isolamento social duraria até 2 anos sem vacina, estima Ministério da Saúde

Plano de imunização do governo prevê 3 centros de distribuição; veja quais

Paralisação da vacinação

Nas indicações de precauções e contraindicações às vacinas, o Ministério da Saúde afirma também que apresentar sintomas do novo coronavírus por um período prolongado também não é uma contraindicação para receber a vacina, mas que, “na presença de alguma evidência de piora clínica, deve ser considerado o adiamento da vacinação para se evitar a atribuição incorreta de qualquer mudança na condição subjacente da pessoa”.

No documento apresentado hoje ao STF, o Ministério da Saúde admite que “pode haver um aumento no número de notificações de eventos adversos pós-vacinação”.

Veja a lista de contraindicações:

•    Pessoas menores de 18 anos de idade;
•    Gestantes;
•    Para aquelas pessoas que já apresentaram uma reação anafilática
•    confirmada a uma dose anterior de uma vacina covid-19;
•    Pessoas que apresentaram uma reação anafilática confirmada a qualquer
•    componente da(s) vacina(s).