Brasil registra 25.193 novos casos de Covid-19 e mais 433 mortes

O total de pessoas recuperadas da doença, de acordo com o levantamento do Ministério da Saúde, é de 6.016.085

Daniel Fernandes, da CNN, em São Paulo
14 de dezembro de 2020 às 18:44 | Atualizado 14 de dezembro de 2020 às 18:58
Brasil teve mais 433 mortos pela doença nas últimas 24 horas
Foto: Altemar Alcântara/Semcom (17.jun.2020)

O Brasil registrou nesta segunda-feira (14) 25.193 novos casos de coronavírus, o que eleva o total de infecções confirmadas no país a 6.927.145, informou o Ministério da Saúde.

Foram notificadas ainda 433 novas mortes em decorrência da Covid-19, com o total de óbitos causados pela doença alcançando 181.835. 

Leia também:

Fiocruz diz que Brasil não tem tecnologia para produzir vacina da Pfizer

STF espera que governo apresente ao menos previsão de cronograma de vacinação

Governadores querem união de laboratórios para vacinar 70% da população até maio

Domingo e segunda-feira são dias em que tradicionalmente há notificações reduzidas em função do represamento de testes aos finais de semana.

O total de pessoas recuperadas da doença, de acordo com o levantamento do Ministério da Saúde, é de 6.016.085.

Destaques do CNN Brasil Business:

O IPVA está chegando: saiba como calcular quanto vai pagar de imposto

Enel inicia obra de usinas eólicas e solares no Brasil e prevê investir R$5,6 bi

Ibovespa vira para queda após zerar perdas no ano; dólar sobe

Prazo para vacinação emergencial

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou, em nota divulgada na tarde desta segunda-feira, que, "diante das novas medidas regulatórias adotadas pela agência e o cenário do uso emergencial das vacinas Covid-19", a análise de pedido de uso emergencial de vacinas terá agora um prazo estimado de até 10 dias para uma definição.

De acordo com a agência, o prazo divulgado hoje passa a valer a partir do momento em que as empresas que desenvolvem vacinas apresentarem toda a documentação exigida. Também é necessário que as farmacêuticas tenham feito estudos clínicos no Brasil e apresentado previamente resultados preliminares à Anvisa. 

A agência reforçou que nenhum pedido de aprovação emergencial foi apresentado até o momento.