Com pacientes com sequelas, hospitais se especializam em tratamento pós-Covid-19

Muitos recuperados ainda sofrem com as consequências físicas e neurológicas deixadas pela doença

Anthony Wells, da CNN, em São Paulo
17 de dezembro de 2020 às 08:41 | Atualizado 17 de dezembro de 2020 às 10:44


O Brasil tem hoje pouco mais de 6,1 milhões de pacientes recuperados da Covid-19. Ainda que o número seja considerável, o Brasil atingiu a marca de 7 milhões de casos confirmados da doença desde o início da pandemia.

Como se não bastasse contrair a Covid-19, muitos recuperados ainda sofrem com as sequelas físicas e neurológicas da doença. O administrador de empresas Roberto Abreu, por exemplo, contraiu o coronavirus no mês passado, foi internado e teve alta no último dia 12. Agora, está em casa com dificuldades para andar.

Leia também:
5 perguntas sobre vacinação contra Covid-19 que devem ser respondidas no Senado
Covid-19: Em novo recorde, EUA têm mais de 3.500 mortes e 240 mil casos em 1 dia
SP mantém vacinação em 25/1, apesar da intenção da Saúde de comprar a Coronavac

Busca por leitos de UTI e enfermaria no Rio de Janeiro registrou crescimento
Paciente em tratamento contra Covid-19 no Rio de Janeiro
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Muitos hospitais já se prepararam para receber pacientes que precisam de um tratamento pós-Covid. O Centro de Tratamento Pós-Covid do Grupo Leforte explica que muitas sequelas evoluem silenciosamente, resultando em danos graves à saúde. Embora mais frequente em pacientes hospitalizados, elas podem ser encontradas em pacientes que tiveram apenas sintomas leves ou foram assintomáticos.

De acordo com o Centro, no coração, o problema mais frequente é a miocardite, quando os tecidos musculares do coração se inflamam, o que pode atrapalhar o bombeamento de sangue e nutrientes pelo corpo.

O Instituto de Reabilitação Lucy Montoro também tem recebido pacientes com sequelas físicas e neurológicas deixadas pela Covid-19. Todos eles têm acesso a um tratamento completo, conduzido por uma equipe composta por nutricionistas, enfermeiros e assistentes sociais, entre outros.

O desafio é identificar a sequela o quanto antes. Quanto mais cedo o diagnóstico, maior a chance do paciente se recuperar completamente.