Ministério diz que postura da Pfizer causou 'espécie' e defende papel da Anvisa

Secretário-executivo Élcio Franco defendeu 'diálogo' com farmacêutica para entender entraves a um pedido para uso emergencial da vacina no Brasil

Guilherme Venaglia, da CNN, em São Paulo
29 de dezembro de 2020 às 19:14 | Atualizado 29 de dezembro de 2020 às 19:28

 

O secretário-executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, afirmou nesta terça-feira (29) que "causou espécie" ao governo brasileiro o posicionamento divulgado nesta pela farmacêutica Pfizer.

A empresa, que fornece vacinas contra a Covid-19 para parte expressiva dos países que iniciaram a imunização, afirma que as exigências da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a impedem de solicitar a autorização para uso emergencial no Brasil.

Franco afirmou aos jornalistas que os critérios da Anvisa são semelhantes a de outros países onde a Pfizer obteve autorização. O secretário afirmou que o Ministério da Saúde vai procurar a farmacêutica "para saber quais são os óbices para se conseguir essa submissão".

"Os aspectos solicitados pela Anvisa para a autorização para o uso emergencial são os mesmos solicitados pelo FDA nos Estados Unidos. Então, nos causou espécie uma vez que esse e outros laboratórios já têm conseguido autorizações tanto no FDA quanto em outros países pelo mundo", disse Élcio Franco.

Assista e leia também:

Em reunião com Pfizer, Anvisa pretende revisar exigências para uso emergencial

Painel da Vacina: Argentina inicia vacinação contra Covid-19; Brasil está fora

Brasil confirma 1.111 novas mortes por Covid-19, maior número em três meses

Até a tarde desta terça-feira (29), ao menos 45 países já começaram a imunizar suas populações contra o novo coronavírus. Os últimos a entrarem na lista foram a Irlanda, Belarus e a Argentina. No Brasil, não há previsão para início da vacinação.

Está prevista para acontecer na quarta-feira (30) uma nova reunião entre representantes da farmacêutica Pfizer e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Afirmando que as exigências da Anvisa seriam maiores do que em outros países, a Pfizer anunciou nesta semana que não pediria a autorização para o uso emergencial da sua vacina contra a Covid-19 no Brasil.

A vacina da Pfizer, produzida em parceria com a alemã BioNTech, está sendo utilizada em parte relevante dos paíes que já iniciaram a vacinação, incluindo os Estados Unidos e a União Europeia. Segundo o âncora da CNN Kenzô Machida, a Anvisa pode revisar suas exigências para o uso emergencial.