Hospital Albert Einstein tem recorde de internados


da CNN, em São Paulo
13 de janeiro de 2021 às 21:44


O primeiro caso de Covid-19 no Brasil foi confirmado em fevereiro do ano passado pelo hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. O paciente, de 61 anos, apresentou sintomas ao voltar de uma viagem à Itália. 

Quase um ano depois, o hospital registra recorde de internações pela doença: 140 pacientes, o maior número desde o início da pandemia. 

Segundo Sidney Klajner, presidente do Einstein, o aumento do número não é só um reflexo das festas de fim de ano, mas se deve também à flexibilização do isolamento social desde novembro de 2020. 

“É um reflexo, mas que começou em meados de novembro. Começou a ver um afrouxamento, um retorno com as aglomerações e um abandono do uso da máscara”, diz. 

“E aquilo que nós temíamos, que eram as festas de fim de ano, especialmente as viagens, [fez com que o] número que estava em torno de 108, 110 pacientes [internados] na virada, passasse para 120, 130, e hoje tem 141 pacientes, que é maior que o pico que tivemos em abril.”

Perfil dos pacientes

Klajner afirma que a busca por atendimento aumentou entre os jovens, mas a internação continua com maior incidência entre população de mais alto risco, como aqueles com mais de 60 anos e com doenças crônicas.

“A transmissibilidade do vírus aumentou muito por conta desses eventos, jantares, comemorações, especialmente entre os jovens de 20 a 30 anos que em determinado momento deixaram de cumprir as regras de distanciamento. E eles são vetores que trazem as infecções para dentro de casa, onde pode ou não haver pacientes de mais alto risco”, explica.

“E isso é mais grave nos casos que adquirirem infecção de modo assintomático, portanto não sabem que estão doentes e levam para casa a doença.”

Situação do Brasil

O Ministério da Saúde registrou nesta quarta-feira (13) mais 60.899 casos e 1.274 mortes por Covid-19. Com a atualização, o país chegou a 8.256.536 diagnósticos confirmados e 205.964 vítimas da doença causada pelo novo coronavírus desde o início da pandemia.

O Brasil é o segundo país com maior número de mortes por coronavírus no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.

O estado mais afetado pela doença, São Paulo atingiu as marcas de 1.577.119 casos e 48.985 mortes. Segundo o secretário de Saúde paulista, Jean Gorinchteyn, a média móvel de casos no estado nos últimos cinco dias está acima do patamar de 10 mil, enquanto a de mortes supera o nível de 200.

(Publicado por Sinara Peixoto)