Anvisa vai se se reunir com OMS para falar sobre vacina russa Sputnik V

Agência brasileira aponta falta de documentação do imunizante

Natália André, da CNN, em Brasília
27 de janeiro de 2021 às 16:38 | Atualizado 27 de janeiro de 2021 às 16:52

 


Técnicos da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) vão se reunir com a OMS (Organização Mundial da Saúde) e a agência reguladora russa para falar sobre a Sputnik-V, a vacina que tenta fazer os testes clínicos no Brasil e também a autorização do uso emergencial.

De acordo com fontes, a equipe que irá participar dos encontros nos próximos dias será da Gerência de Medicamentos, Fiscalização e Monitoramento. As datas ainda não foram fechadas por causa das diferentes agendas.

 

A parceria do Instituto Gamaleya e o Fundo Russo de Investimento no Brasil é a União Química. É esse laboratório que, ainda em dezembro, pediu para realizar testes clínicos em voluntários, na última fase, e a Anvisa não autorizou por falta de documentos. O laboratório também pediu autorização de uso emergencial e recebeu outra negativa da agência por falta de relatórios.

A Anvisa não é a única a ter dificuldades em aprovar o imunizante. A agência da União Europeia, a EMA (European Medicines Agency), também justifica que faltam documentos mínimos.