Após contrair Covid-19, homem tem redução de câncer em estágio avançado

Exame de tomografia revelou a remissão generalizada do linfoma

Karoline Porto, colaboração para a CNN Brasil
27 de janeiro de 2021 às 10:44 | Atualizado 27 de janeiro de 2021 às 11:39
Tomografia
Antes e depois: tomografia revelou a remissão generalizada do linfoma após homem de 61 anos ser contaminado pelo novo coronavírus
Foto: Reprodução

 

Se a notícia do diagnóstico de Covid-19 já é assustadora, ela fica ainda pior para pessoas com comorbidades. Porém, para um paciente em estágio avançado de um câncer que foi contaminado com o novo coronavírus, o que ocorreu foi exatamente o oposto.

O homem de 61 anos, diagnosticado com linfoma de Hodgkin em estágio III e hospitalizado no Royal Cornwall Hospital, na província de Cornuália, na Inglaterra, a 430 quilômetros de Londres, teve a remissão generalizada da doença após contrair o novo coronavírus. O caso foi publicado no periódico médico British Journal of Hematology.

O linfoma de Hodgkin é um tipo de câncer do sistema linfático, onde estão as células responsáveis pela imunidade. A doença origina-se com maior frequência na região do pescoço e tórax, e é mais comum entre homens, segundo informa o Instituto Nacional de Câncer (Inca).

 

Segundo os autores da publicação médica, o paciente foi admitido pelo departamento de hematologia do Royal Cornwall Hospital com inflamação nos gânglios e perda de peso. O idoso fazia hemodiálise para insuficiência renal em estágio terminal, após um transplante de rim malsucedido.

Logo após o diagnóstico, o homem foi internado com falta de ar, chiado no peito e com pneumonia. A contaminação pela Covid-19 foi confirmada após exame de PCR.

De acordo com os cientistas, o idoso ficou em tratamento por 11 dias e foi liberado para finalizar a recuperação da Covid-19 em casa. Também não foram administrados corticosteroides ou imunoquimioterapia, medicamos usados no tratamento do linfoma.

Quatro meses depois, os médicos afirmaram que o inchaço dos nódulos havia diminuído. Um exame de tomografia revelou a remissão generalizada do linfoma.

 

A hipótese levantada pelos autores do artigo é de que a infecção pelo novo coronavírus desencadeou uma resposta imune contra o tumor. As citocinas inflamatórias produzidas em resposta à infecção poderiam ter ativado células T específicas com antígenos tumorais e células que naturalmente agem contra o tumor.

Ainda segundo o artigo, casos de remissão espontânea já haviam sido descritos, porém com outras infecções de pneumonia infecciosa e no contexto do linfoma não Hodgkin de alto grau.