Parlamentares de oposição cobram do Ministério da Saúde compra de Coronavac

Deputados da comissão de enfrentamento à Covid-19 enviarão cobrança formal ao ministro da Saúde, Eduardo Pazuello

Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  
28 de janeiro de 2021 às 16:38 | Atualizado 28 de janeiro de 2021 às 16:55
Frascos com a vacina CoronaVac
Foto: Amanda Perobelli/Reuters (22.jan.2021)

Parlamentares da Comissão de Enfrentamento à Covid-19 cobraram o Ministério da Saúde, nesta quinta-feira, a agilizar a compra de 54 milhões de vacinas da Coronavac junto ao Instituto Butantan, que nesta quarta reclamou da demora.

Somando essas doses ao que o Brasil já comprou, o acordo totalizaria 100 milhões de vacinas.

No Ministério da Saúde, técnicos afirmaram à CNN que o governo não deixará de comprar todo estoque. Mas a falta de uma resposta oficial é o que complica o meio de campo já que o produto é visado por outros países e, internamente, também por governos locais. 

"É uma demanda mundial. Se nós pedirmos com antecedência, poderemos receber esses itens com mais rapidez", afirmou a relatora da comissão, Carmem Zanotto, à CNN.

Ela afirma que o grupo vai encaminhar um ofício ao ministro Eduardo Pazuello para jogar pressão. A deputada também esteve reunida com o ex-ministro Antonio Imbassahy, que é chefe do escritório de representação do governo de São Paulo em Brasília.

Até o momento, dos 21 integrantes da comissão, 15 assinaram o pedido, além de Zanotto, o presidente da comissão Luis Teixeira Junior (PP-RJ), General Peternelli (PSL-SP), Jorge Solla (PT-SP), Paula Belmonte (Cidadania-DF), Mariana Carvalho (PSDB-RO), Zacharias Calil (DEM-GO), Rodrigo Coelho (PSB-SC), Leandre (PV-PR), Carla Dickson (Republicanos-RN), Aliel Machado (Rede-PR), Jandira Feghali (PCdoB-RJ), Dorinha Seabra Resende (DEM-TO), Tereza Nelma (PSDB-AL) e Paulo Teixeira (PT-SP).

A comissão não se reúne oficialmente desde o início do recesso parlamentar, o que tem motivado reclamações internas.

Na semana passada, em um encontro informal, um grupo de mais de 10 parlamentares esteve com o ministro das Relações Exteriores e os fabricantes de vacinas, da Fiocruz e do Butantan. Dimas Covas já alertava, na ocasião, sobre o que considera demora do governo brasileiro em acertar a compra das vacinas.

A manifestação dos parlamentares pede urgência no tratamento do assunto. Ainda que pelo contrato o governo não precise responder agora sobre a compra das vacinas, para a comissão, o país corre um risco desnecessário de perdê-las.

Publicado por Guilherme Venaglia