Uso de máscara não prejudica quem tem comorbidade respiratória, diz médico

No quadro Correspondente Médico, neurocirurgião Fernando Gomes tirou dúvida enviada por telespectador da CNN

Da CNN, em São Paulo
10 de fevereiro de 2021 às 08:34 | Atualizado 10 de fevereiro de 2021 às 10:51

Na edição desta quarta-feira (10) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes tirou uma dúvida enviada pelo telespectador da CNN, Lázaro Campos, sobre o uso de máscara ser prejudicial para pessoas que possuem comorbidades respiratórias. 

O médico explicou que a máscara só causaria prejuízos para pessoas com grande insuficiência respiratória, mas, nesses casos, dificilmente elas estariam fora de casa.

"Em todas as outras situações, a máscara funciona como um bloqueio mecânico para evitar a dispersão de gotículas da respiração, quiçá do espirro, da tosse, para todo o ambiente. É só isso. Ela não tem nenhum poder de provocar mal a ninguém", explicou o médico.

"É lógico que existem máscaras mais confortáveis, outras menos. Existe também toda a questão de cuidado, não adianta usar a máscara, deixar em qualquer lugar e colocar [de novo]. Sabemos que a cada uma ou duas horas é necessário trocar a máscara. Em casa, higienizar com água e sabão já basta. É mais simples do que imaginamos", completou Gomes.

Pedestre de máscara em Curitiba em meio à pandemia da Covid-19
Foto: Eduardo Matysiak/Futura Press/Estadão Conteúdo

 

(Publicado por: André Rigue)