Governo cumprirá meta de vacinação se doses não sofrerem atraso, diz Gabbardo

Coordenador do Centro de Contingência da Covid-19 em SP ressalta que, para que doses da Astrazeneca não poderão sofrer atrasos na entrega

Da CNN, em São Paulo
17 de fevereiro de 2021 às 22:58

O coordenador do Centro de Contingência da Covid-19 em São Paulo, João Gabbardo, afirmou, em entrevista à CNN na noite desta quarta-feira (17), que o Brasil tem condições de cumprir o cronograma de vacinação anunciado pelo ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

O plano apresentado pelo ministro - de ter 230 milhões de doses disponíveis para a população até o fim de julho - funcionará, segundo Gabbardo, desde que, além da produção do Instituto Butantan, as doses da vacina de Oxford/Astrazeneca não sofram atrasos na entrega. 

"É factível, sim, perfeitamente viável que tenhamos vacinado a população prioritária, que inclui também pessoas com qualquer idade acima de 18 anos com doenças crônicas e comorbidades, professores, área de segurança, transporte, profissões que têm risco maior de transmissibilidade, desde que a Astrazeneca também faça a entrega prevista", afirmou.

Sobre a falta de doses em vários estados, Gabbardo afirmou acreditar que a situação se normalizará na próxima semana. "A partir do dia 23, o Butantan começa a entregar em torno de 400 mil a 500 mil doses diariamente. E, com os insumos, podemos garantir esse quantitativo", afirmou.

A curto prazo, Gabbardo espera, até a metade ou final de março, concluir o processo de vacinação dos trabalhadores da saúde e idosos com mais de 60 anos. 

(Publicado por Daniel Fernandes)