Compra de vacinas por entes privados desonera o SUS, diz presidente da Anvisa

Antônio Barra Torres ressaltou que não é atribuição da Anvisa a compra de insumos, mas que, em sua opinião como cidadão, vê com bons olhos a possibilidade

Da CNN, em São Paulo
24 de fevereiro de 2021 às 18:09

O diretor-presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Antônio Barra Torres, elogiou, em entrevista à CNN nesta quarta-feira (24), a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), amparada pela Medida Provisória 1026 da Câmara dos Deputados, que libera a compra de vacinas por entes privados em caso de falhas no Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Torres ressaltou que não é atribuição da Anvisa a compra de insumos, mas que, em sua opinião como cidadão, vê com bons olhos a possibilidade de compra de vacinas por instituições privadas, estados e municípios.

“Minha opinião de cidadão é que essa autorização desonera o SUS. É um bom advento que vem do Congresso e foi reiterado pelo STF. Acredito que a MP 1026 vem agregar para melhor combater a pandemia.”

Vacina de Oxford

Questionado sobre o processo de aprovação em definitivo da vacina de Oxford/AstraZeneca, Barra Torres disse que a Anvisa tem até 60 dias para a análise, mas que, assim como no caso da vacina da Pfizer, que foi aprovada em 17 dias, o processo pode ser mais curto que o prazo máximo.

(Publicado por Daniel Fernandes)