Enfermeira e 1ª vacinada no Brasil diz que Emílio Ribas está em 'situação grave'

Mônica Calazans afirmou em entrevista à CNN que hospital está com todos os leitos ocupados e que pacientes chegam 'cada vez mais graves'

Produzido por Thiago Felix, da CNN São Paulo
17 de março de 2021 às 07:51

Em entrevista à CNN nesta quarta-feira (17), Mônica Calazans, enfermeira e primeira vacinada contra a Covid-19 no Brasil, afirmou que a situação no hospital Emílio Ribas (em São Paulo) onde trabalha é “muito grave”. 

Várias regiões do país têm registrado alta no número de novos casos, internações e óbitos decorrentes da doença. Na terça-feira (16), o país atingiu novo recorde de mortes por Covid-19 em 24 horas: foram 2.841.

“Os pacientes que recebemos [apresentam um quadro] extremamente grave e o perfil do paciente mudou muito. O Emílio Ribas está com todos os leitos ocupados. Teve uma época que a gente até achou que fosse dar uma respirada, mas isso não aconteceu. Os pacientes continuam chegando e [estão] cada vez mais graves”, contou Mônica.

No dia 17 de janeiro, a enfermeira de 54 anos, foi a primeira pessoa a ser vacinada contra a Covid-19 no Brasil. Ela recebeu o imunizante Coronavac, desenvolvido no país pelo Instituto Butantan, em São Paulo. No dia 12 de fevereiro, Mônica recebeu a segunda dose da vacina e está completamente imunizada contra a doença. Ela também falou à CNN sobre ataques que recebeu nas redes sociais: "Todo mundo que me ataca, garanto para vocês, não tem coragem de fazer o que eu faço".

Enfermeira Mônica Calazans, 54 anos, foi a primeira brasileira vacinada em 17 de janeiro de 2021
Foto: Reprodução/CNN