'O que tem que ser precoce é o monitoramento', diz médica sobre Covid-19

Cardiologista e intensivista, Stephanie Rizk explica sobre fases da infecção e a importância de um tratamento adequado e na hora certa

Jorge Fernando Rodrigues e Thiago Félix, da CNN São Paulo
11 de abril de 2021 às 10:01

O Brasil chegou à marca de 350 mil mortes em decorrência da Covid-19 e a taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) ainda é bastante alta. Cardiologista e intensivista do InCor e da Rede D’Or, Stephanie Rizk avaliou em entrevista à CNN que a doença tem tido um comportamento diferente neste repique. Ela defendeu que o acompanhamento através de exames feitos desde o início da infecção é a saída para que os pacientes consigam sobreviver.

“O que tem que ser precoce é o monitoramento. Seria importante se toda a população pudesse ter um oxímetro. Na fase inicial, ficamos mais atento ao sintoma sistêmico, como febre, mal-estar e queda do quadro geral. A partir do sétimo dia, a gente começa a ficar de olho na oximetria, se teve alguma mudança de padrão”, explica.

“Os colegas conversam entre si, entre outras UTIs do SUS, e é semelhante a observação. Antes, a gente conseguia pegar um paciente grave e com um desfecho mais favorável, ultimamente, chega paciente que em 24 horas morre", completa a médica.

A médica ressalta que a doença começa a ser contada a partir do primeiro dia de sintoma. Já que um paciente que testou positivo para PCR, pode só desenvolver um quadro sintomático após alguns dias. E que mesmo estando bem, a realização de exames é crucial para o tratamento.

“Muitas vezes a gente está acompanhando alguém e a pessoa diz que está ótima e que não quer fazer exame nenhum e eu falo: ‘Por favor, faça’. Eu sei que muita gente não tem condição. Estes dias me perguntaram: ‘E o povo do SUS, como vai fazer? Ninguém vai pedir tomografia’. Mas pelo menos se a gente tiver a oportunidade de ter uma oximetria já ajuda", diz.

Segundo ela, o tratamento deve acontecer na hora certa. “Identificou pneumonia viral? Já se muda o esquema terapêutico", por exemplo.

“Passando para a fase inflamatória, a gente fica mais de olho. Teve a oportunidade de fazer uma tomografia e exames de sangue para a gente entender o perfil e a agressividade? Excelente. E a gente começa a tratar na fase adequada”, explica.