Mais jovens estão sendo internados nos EUA por causa de nova cepa dominante

Detectada pela primeira vez no Reino Unido, a cepa B.1.1.7 é agora a mais prevalente nos EUA

Holly Yan, da CNN
12 de abril de 2021 às 17:51 | Atualizado 13 de abril de 2021 às 09:29
Ilustração em 3D representando o novo coronavírus
Ilustração em 3D representando o novo coronavírus
Foto: Nexu Science Communication/Reuters

  Antes conhecida só como uma variante misteriosa do coronavírus detectada pela primeira vez no Reino Unido, a cepa B.1.1.7 é agora a mais prevalente nos EUA. E, diferentemente da cepa original do coronavírus, a B.1.1.7, mais contagiosa, está atingindo os jovens de maneira bem mais forte.

“Os casos de Covid-19 e as consultas no pronto-socorro aumentaram”, disse a doutora Rochelle Walensky, diretora dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDCs) dos Estados Unidos. “Há aumentos em adultos jovens, a maioria deles ainda não vacinados”.

Os médicos contam que muitos jovens estão sofrendo complicações da Covid-19 que não esperavam. Portanto, é hora de abandonar a crença de que apenas adultos mais velhos ou pessoas com doenças pré-existentes correm o risco de contrair Covid-19 grave.

Por que a B.1.1.7 é mais contagiosa

Os vírus sofrem mutações o tempo todo, e a maioria das mutações não é muito importante. Mas, se elas forem significativas, podem levar a novas variantes perigosas.

“A variante B.1.1.7 tem mutações que permitem que ela se ligue mais” às células, explicou o doutor Jonathan Reiner, analista médico da CNN e professor de medicina e cirurgia na Universidade George Washington.

“Pense nessa mutação como algo que torna o vírus mais grudento”. O coronavírus se agarra às células usando suas proteínas spike – os espinhos que cercam a superfície do vírus.

“Há uma pequena diferença na forma como a proteína spike da B.1.1.7 se mantém, o que a faz aderir às células com um pouco mais de facilidade”, disse a médica Megan Ranney, diretora do Brown-Lifespan Center for Digital Health.

Com a cepa original do novo coronavírus, “é preciso um certo inóculo (uma certa quantidade de vírus) para que a infecção persista”, continuou Reiner, da Universidade George Washington. “Uma partícula viral é suficiente para deixá-lo doente? Provavelmente não. Por outro lado, às vezes um inóculo maciço pode matar uma pessoa saudável. Vimos isso em profissionais de saúde”, lembrou.

“Já essas novas variantes, particularmente a variante do Reino Unido, parecem ser mais grudentas, digamos assim. Daí a noção que ela é mais contagiosa, porque potencialmente não são necessários tantos inóculos para deixar uma pessoa doente”.

O que isso significa na prática, segundo o doutor Reiner, é que “uma pessoa pode estar em um lugar e talvez ter uma exposição mais breve ou menor, uma exposição casual, e então se infectar”. Além disso, já que a B.1.1.7 é mais pegajosa, “a pessoa pode ter uma carga viral mais alta”.

“Se você tiver um número maior de partículas virais em seu trato respiratório, será mais fácil espalhar para outras pessoas”, resumiu a doutora Ranney. Essa é outra razão pela qual é tão importante que os jovens adultos sejam vacinados.

 Mais internações de jovens

Casos da B.1.1.7 já foram relatados em todos os 50 estados dos Estados Unidos, segundo o CDC. “O que vemos agora em vários lugares é que os jovens estão doentes e sendo hospitalizados. No início da pandemia, eram principalmente pessoas mais velhas”, disse Reiner.

“A razão para isso pode ser muito simples e ter a ver com o fato de que a população idosa deste país ou já foi exposta a esse vírus, morta por ele ou agora está vacinada contra ele”. 

Até o dia 10 de abril, mais de 78% das pessoas com 65 anos ou mais haviam recebido pelo menos uma dose da vacina nos EUA, e 60% estavam totalmente vacinadas, de acordo com dados do CDC. “Os não vacinados são as pessoas que estão sendo infectadas e estamos vendo um grande número de jovens que estão nos hospitais agora”.

Em março, o estado de Nova Jersey teve um aumento de 31% nas hospitalizações por Covid-19 entre jovens adultos de 20 a 29 anos, segundo o secretário estadual de saúde. A faixa etária de 40 a 49 anos viu um aumento de 48% nas hospitalizações por Covid-19.

A doutora Ranney disse que também notou uma mudança marcante em quem está sendo hospitalizado. “Há um aumento gradual na proporção de pessoas mais jovens nos últimos dois meses”, afirmou, citando dados do COVID-NET, que rastreia casos de mais de 250 hospitais em 14 estados nos EUA.

“Olhando para as semanas de 26 de dezembro ou 2 de janeiro, as hospitalizações de pessoas de mais de 65 anos somavam em torno de 3.000. E todos os outros grupos juntos somavam 3.000. Ou seja, mais de 50% dos internados tinham mais de 65 anos”. Mas, em 27 de março, “cerca de um terço era do grupo entre 18 e 49 anos, outro terço entre 50 e 64 anos, e o terço final é do grupo com mais de 65”, disse. 

Como médica do pronto-socorro, Ranney disse que atende regularmente pacientes jovens e previamente saudáveis que lutam contra o coronavírus. “Vejo pelo menos algumas pessoas em cada turno de emergência em que trabalho que estão lá porque estão tendo problemas respiratórios persistentes ou outros efeitos colaterais como resultado do Covid-19”, relatou.

Ranney disse que geralmente define “jovens” como aqueles com menos de 50 anos. Mas “não importa qual limite de idade você use, agora, estamos vendo mais B.1.1.7 do que as variantes mais antigas”.

“E estamos vendo mais nos grupos de 20 e 30 anos também. As pessoas na casa dos 20 e 30 anos têm menos probabilidade de serem vacinadas e mais probabilidade de estarem fora de casa”.

A grande maioria dos testes de coronavírus positivos não passa pelo sequenciamento genômico para descobrir se a doença foi causada pela B.1.1.7 ou outra cepa. Mas, à medida que o sequenciamento genômico aumenta em todo o país, especialistas em saúde dizem que não há dúvidas de que a B.1.1.7 está gerando mais internações entre os jovens.

Especialista no cuidado de pacientes da Covid-19 no Beaumont Hospital, Royal Oak em Michigan, o doutor Justin Skrzynski conta que o local envia uma parte de suas amostras de coronavírus ao estado para análise de DNA.

“No momento, o teste regular de Covid-19 que fazemos ainda mostra apenas se há Covid ou não há Covid", disse Skrzynski. “Mas nós enviamos muitos deles para o órgão estadual e estamos vendo algo como 40% de nossos pacientes agora com a B.1.1.7”.

O doutor Reiner disse que acha que tanto o comportamento humano quanto o aspecto “grudento” da B.1.1.7 estão levando a mais hospitalizações por Covid-19 entre os jovens. “Pode ser simplesmente porque mais jovens foram infectados, e talvez o inóculo (carga viral) seja maior”, ponderou.

Às vezes, os jovens podem ser vítimas de seu próprio sistema imunológico forte. Durante a pandemia, os médicos notaram que alguns pacientes jovens, anteriormente saudáveis, sofrem de tempestades de citocinas durante a Covid-19. Isso ocorre basicamente quando o sistema imunológico de alguém reage de forma exagerada, podendo causar inflamação severa ou outros sintomas graves.

Para o doutor Reiner, conforme a B.1.1.7 continua se espalhando, é possível que o número de jovens com tempestades de citocinas aumente. “Vimos pessoas entrarem em nosso hospital, muitos jovens (na casa dos 20 anos) e que precisaram ser colocadas no ECMO, que é basicamente uma máquina de coração-pulmão, por dias ou até semanas porque já chegavam com cardiomiopatia em resposta a uma tempestade de citocinas”, detalhou o médico e professor.

Vidas destruídas

Com mais jovens infectados, os médicos estão preocupados em ver mais uma tendência perturbadora que observaram há meses: as complicações de longo prazo.

“Nem sei contar quantas pessoas eu cuidei no pronto-socorro que estão na faixa dos 20, 30 e 40 anos que não chegaram a ficar doentes o suficiente para acabar no pronto-socorro durante a infecção pelo coronavírus, mas que agora têm dificuldades respiratórias prolongadas”, relatou Ranney.

“Ou têm perda persistente do paladar e do olfato e estão perdendo peso porque perderem a alegria de comer. Ou ainda têm aquele tipo de névoa mental de que ouvimos falar na Covid longa. E não é universal. Nem todas as pessoas que pegam Covid-19 vão passar por isso. Mas existe a realidade de que essa doença não é benigna, independentemente de uma pessoa ficar ou não internada na UTI”, completou.

“Há uma falsa sensação de achar que se é imune por ser jovem ou de ter um bom resultado caso pegue a doença. A pessoa pode ter sorte. E isso pode ser verdade, ou seja, que o resultado será bom. Mas também há uma chance de não ser”.

O doutor Reiner disse que alguns sintomas de longa duração em jovens duram cerca de um ano. “São sintomas debilitantes que surgiram após a infecção por coronavírus. Meu recado aos jovens é que a Covid-19 não precisa matar você para destruir sua vida”.

Mensagens confusas

Especialistas em saúde dizem que é fundamental continuar praticando as precauções contra a Covid-19 até que muito mais pessoas sejam vacinadas. No entanto, alguns estados abandonaram a obrigatoriedade de máscaras ou reabriram os bares com sua capacidade total, justo quando a B.1.1.7 estava se espalhando rapidamente.

Para o doutor Reiner, isso provavelmente está alimentando a disseminação de B.1.1.7 entre os jovens. “São os mais jovens que vão para os bares. Eles são as pessoas que se encontram para um brunch. As pessoas mais velhas neste país estão acuadas há um ano porque estão preocupadas em morrer por causa deste vírus. Os jovens não se preocupam tanto em morrer por essa causa. E há muita fadiga da pandemia”.

Reiner disse que compreende que muitos negócios foram arrasados e precisam ser totalmente reabertas assim que for seguro. “Mas aliviar a obrigatoriedade de máscaras não faz sentido algum”, opinou. “Não há dificuldades econômicas nem dificuldades pessoais que impeçam o pedido de que uma pessoa use uma máscara quando está em público”.

A doutora Ranney disse que os jovens podem interpretar mal a suspensão da obrigatoriedade de outras medidas de segurança. “Uma pessoa que ouve isso e que não está acompanhando os dados regularmente, já pensa: ‘Bom, o governador não abriria se não fosse seguro’. Acho que é mesmo uma mensagem confusa”.

Entre as crianças

Não são apenas os jovens adultos que estão sendo infectados com essa variante. Mais casos de B.1.1.7 estão aparecendo também entre crianças. “Estamos vendo um número maior de crianças com teste positivo para B.1.1.7 do que vimos para outros tipos de vírus”, contou Ranney.

“Não significa necessariamente que as crianças sejam mais suscetíveis a B.1.1.7. Mas é que elas têm mais probabilidade de serem expostas a ela porque estão fora de casa e porque essa versão é mais transmissível”.

Embora o aprendizado em sala de aula seja relativamente seguro quando as precauções de segurança corretas são tomadas, as autoridades de saúde dizem que as atividades após as aulas (como prática de esportes e outras atividades extracurriculares) estão fazendo com que mais crianças adoeçam com a Covid-19.

Embora as mortes pela doença entre crianças sejam extremamente raras, elas têm acontecido. Algumas crianças que contraíram coronavírus tiveram a SIM-P, ou síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica, o que é raro, mas às vezes pode levar à doença grave ou morte.

Como anular a B.1.1.7

Há uma boa notícia em relação à variante B.1.1.7: não precisamos de um novo manual para combatê-la. Mas temos que seguir o manual existente de perto para extinguir essa variante altamente contagiosa. 

“Embora seja mais transmissível, cada pedaço dos dados que já temos apoia a ideia de que devemos usar as mesmas técnicas que usamos para outras variantes”, lembrou a doutora Ranney.

“Portanto, ainda é preciso usar máscaras, fazer distanciamento físico, ficar em locais ventilados e se vacinar. E nossas vacinas atuais – e isso é realmente crítico –funcionam muito bem contra a B.1.1.7.”.

Mas há uma pegadinha: quanto mais tempo um vírus circula, mais oportunidades ele tem de desenvolver novas mutações. Se as mutações forem significativas, podem levar a variantes mais problemáticas, incluindo algumas que podem escapar da proteção da vacina. “Para mim, este é um sinal de alerta. É uma aposta certeira do que pode acontecer”, disse Ranney.

A B.1.1.7 “se espalha com mais facilidade. O número de casos está aumentando. Estamos observando alguns aumentos nas internações, provavelmente devido à disseminação de B.1.1.7. Mas as vacinas funcionam contra ela. Pode haver variantes futuras para as quais a gente não tenha tanta sorte”.

Miguel Marquez, da CNN, contribuiu para esta reportagem

(Texto traduzido. Leia o original, em inglês).