Butantan reduz previsão de entrega de vacina contra a Covid para o mês de maio

Devido ao atraso na chegada dos insumos, Dimas Covas afirmou que será possível entregar cerca de 5 milhões de doses das 12 milhões de doses previstas

Rafaela Lara e Tainá Falcão, da CNN, em São Paulo
14 de maio de 2021 às 09:25 | Atualizado 14 de maio de 2021 às 10:00

O Instituto Butantan reduziu a previsão de entrega de doses da vacina contra a Covid-19 para este mês. Segundo o diretor do instituto, Dimas Covas, estavam previstas para o mês de maio a entrega de 12 milhões de doses do imunizante, no entanto, com o atraso da chegada do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), o instituto deve entregar "pouco mais de 5 milhões de doses". 

Nesta sexta-feira (14), o Instituto Butantan entregou 1,1 milhão de doses da Coronavac, que fazem parte do segundo contrato assinado com o Ministério da Saúde, e anunciou a paralisação da produção devido a falta dos insumos. 

Segundo Dimas, a previsão de entrega para junho é de 6 milhões de doses. Ele ressaltou que com a chegada do IFA – ainda sem previsão – será possível recuperar o cronograma com o retorno da produção das doses pelo Butantan. Segundo ele, a produção da Coronavac está parada desde esta quarta-feira (12). 

"Tínhamos a previsão de 12 milhões de doses em maio e vamos entregar pouco mais de 5 milhões. E, em junho, temos a previsão de 6 milhões [de doses]. Se o IFA chegar muito rapidamente, vamos cumprir. Vamos recuperar o cronograma de maio e cumprir o de junho. Do ponto de vista da nossa relação contratual, não temos problemas. O problema é com a liberação [dos insumos] que precisa acontecer o mais rápido possível", disse Dimas à CNN

Dimas afirmou que a programação sofrerá atrasos neste mês e que os insumos já prontos na China correspondem ao que falta para a produção dos imunizantes previstos para maio e junho. Dez mil litros de IFA aguardam a liberação para embargue ao Brasil – a quantidade corresponde a 18 milhões de doses da Coronavac.

"No dia de hoje conversei com os chineses e ainda não há liberação [dos insumos]. Tivemos a notícia oficial da Fiocruz que teve a liberação para o dia 22. Se começou a liberar, é possível que também tenhamos uma boa notícia nos próximos dias", disse.