Variante Delta em SP ainda é caso isolado, diz pesquisadora do Butantan

Diretora do Centro de Desenvolvimento Científico diz que cepa identificada na Índia terá dificuldades de se espalhar por causa da variante P1

Produzido por Layane Serrano, da CNN São Paulo
08 de julho de 2021 às 09:07 | Atualizado 08 de julho de 2021 às 09:42

A confirmação do primeiro caso da variante Delta da Covid-19 na cidade de São Paulo ainda não preocupa os pesquisadores do Instituto Butantan, mas requer atenção.

Em entrevista à CNN, a diretora do Centro de Desenvolvimento Científico da instituição, Sandra Coccuzzo, explicou que a cepa originária da Índia precisa superar, em termos de circulação, a predominância da variante P1, identificada em Manaus.

"A P1 está extremamente estabelecida. Aí se tem uma variante que tem capacidade de replicação mais acentuada, por isso, ela requer sim nossa atenção", afirmou Sandra. "Hoje, eu diria que ela [variante Delta] ainda é um caso isolado."

Sandra citou que há municípios que chegam a 100% da variante P1 e, por isso, a Delta terá dificuldades de se estabelecer no Brasil. "Quando começamos a identificar novas variantes, a gente sabe que elas terão que ter um desempenho muito superior para vencer a cepa predominante."

A especialista reforçou que a estratégia de monitoramento da variante Delta pelo Butantan é o sequenciamento genético de testes positivos no estado de São Paulo.

"O Instituto Butantan tem medidas para entendermos a pandemia e, uma delas, é justamente a rede de sequenciamento. Nossa proposta é averiguar, semanalmente, quais são as variantes predominantes dentro das porcentagens de positivos de RT-PCR."