Estresse e emoção forte podem causar soluço como o de Bolsonaro; médico explica

No quadro Correspondente Médico, dr. Fernando Gomes explicou soluços persistentes; presidente foi levado ao hospital após crise nos últimos dias

Da CNN, em São Paulo
14 de julho de 2021 às 08:46 | Atualizado 14 de julho de 2021 às 09:16

Na edição desta quarta-feira (14) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes explicou o que causa soluço e como curá-lo.

Nos últimos dias, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) reclamou que está sofrendo crises de soluço e, nesta madrugada, ele foi levado no Hospital das Forças Armadas (HFA), em Brasília.

Ao longo da última semana, o presidente chegou a relatar que as crises de soluço duravam dias e, além do incômodo, ele disse a apoiadores que estava ficando sem voz, em alguns momentos, por causa disso.

"Na prática, o que acontece é um reflexo. O soluço não é uma doença, mas uma manifestação desagradável e faz com que o diafragma, o músculo que faz a divisão da cavidade toráxica da abdominal, seja estimulado diferente durante a expiração e afeta a glote, que provoca o som típico de soluço", explicou Gomes.

De acordo o médico, soluços persistentes por mais de dois dias requerem atenção e, a partir de sete dias de crise, é recomendado avaliação profissional. 

Entre as causas para o soluço, Fernando Gomes citou refeições pesadas, bebidas quentes e excesso de bebidas alcoólicas. "Pessoas com gastrite ou refluxo gastroesofágico também têm esse reflexo estimulado, às vezes, de maneira persistente", destacou.

"Estresse psicológico e até mesmo um susto ou emoção muito forte provoca o soluço e, da mesma maneira, consegue interferir tirando o indivíduo desse padrão", afirmou o médico. 

"A dica básica é prestar atenção na própria respiração porque o soluço entra dentro do nosso reflexo mais básico, que é a inspiração e expiração. Muitas vezes ficar tranquilo, fechar os olhos e prestar atenção voluntária na respiração pode ajudar."