Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Adolescentes podem tomar segunda dose da vacina com segurança, diz pediatra

    Ao contrário da recomendação da Saúde, Ana Escobar disse à CNN que essa faixa etária pode receber a segunda aplicação "com segurança"

    Da CNN

    em São Paulo

    Ouvir notícia

    Em entrevista à CNN, a médica pediatra Ana Escobar recomendou que adolescentes que já tomaram a primeira dose da vacina contra a Covid-19 voltem aos postos para receber segunda aplicação.

    “Não há dúvida, deem a segunda dose com total tranquilidade e segurança”, disse a profissional da saúde aos responsáveis pelos jovens.

    “A decisão de não dar é de um ministro de um governo que está sob uma CPI.”

    A fala vem após o Ministério da Saúde recomendar a suspensão da vacinação para a faixa etária de 12 a 17 anos sem comorbidades no país. Com isso, passa a ser recomendada a imunização para esse grupo somente em adolescentes que apresentem deficiência permanente, comorbidades ou que estejam privados de liberdade.

    Na nota técnica da pasta, não é informada uma diretriz para os jovens que já foram vacinados.

    “Essa mudança desnuda a incompetência e a incapacidade das pessoas de entenderem o cenário”, disse Escobar.

    “É uma decisão que vai contra o mundo, todos os trabalhos científicos, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).”

    Em nota, a Anvisa disse que investiga o caso da morte de uma adolescente de 16 anos após aplicação da vacina da Pfizer, a única permitida nesta faixa etária. Apesar disso, a agência destacou que “no momento, não há uma relação causal definida entre este caso e a administração da vacina”.

    A pediatra também ressaltou que todos os imunizantes têm efeitos adversos em determinados indivíduos, mas os benefícios superam os riscos por serem casos pontuais.

    “Como dizemos que a vacina é segura? Quando esses eventos adversos são tão poucos e tão especificamente de algumas pessoas que não contraindicam o uso da vacina.”

    (Publicado por Evandro Furoni)

    Mais Recentes da CNN