Butanvac incorpora duas tecnologias e é promissora, diz infectologista

Especialista do Instituto Emílio Ribas destaca o imunizante brasileiro por ser feito em plataforma conhecida e de expertise do Butantan

Produzido por Layane Serrano

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

O Instituto Butantan protocolou na sexta-feira (26), às 21h, o dossiê de desenvolvimento clínico da Butanvac na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Para a infectologista do Instituto Emílio Ribas, Fabiane Sztajnbok, o imunizante é promissor por unir duas tecnologias diferentes.

“O que foi alcançado com a Butanvac na fase inicial é incrível porque ela combinou duas tecnologias: a do vetor viral com a do vírus inativado”, diz a médica.

Ou seja, a vacina do Butantan alia a tecnologia de vírus inativado, da Coronavac, com a tecnologia de modificação genética do vírus, como é feita a AstraZeneca. 

“Está sendo utilizado um vírus que causa gripe em aves, o Newcastle. Modifica-se o genoma deste vírus incorporando pedaços do coronavírus e, depois, este vírus já modificado passa pela tecnologia inicial da vacina da gripe: acontecem os cultivos em ovos”, diz.

A médica infectologista Fabiane Sztajnbok, do Instituto Emílio Ribas
A médica infectologista Fabiane Sztajnbok, do Instituto Emílio Ribas
Foto: Reprodução / CNN

Esse cultivo é feito para inativar o vírus, ou seja, deixá-lo mais brando e impossível de causar dano ao ser aplicado nos seres humanos. “Cada vez que o vírus é cultivado, você o enfraquece um pouco até o ponto que ele não cause doença nas pessoas e possa ser utilizado. Esta vacina que está sendo proposta incorpora duas tecnologias diferentes. É bastante interessante e promissora”, acredita.

Fabiane Sztajnbok ressalta que o Instituto Butantan é referência no desenvolvimento de vacinas de gripe e, portanto, está lidando com uma paltaforma já conhecida e sobre a qual tem muita expertise.

“O fato de ser uma plataforma conhecida e o Butantan ser um experto nesta tecnologia, uma vez que é referência para a vacina de gripe, isso vai nos ajudar muitíssimo em relação à produção e agilidade também”.

 

 

 

 

Mais Recentes da CNN