Casos de chikungunya aumentam mais de 30% entre 2020 e 2021

Dados foram publicados em boletim epidemiológico do Ministério da Saúde; o Brasil registrou mais de 96 mil casos entre o início de 2021 e o primeiro dia do ano de 2022

Especialistas da Fiocruz recomendam a realização de uma vistoria semanal para eliminar focos de reprodução do mosquito Aedes aegypti
Especialistas da Fiocruz recomendam a realização de uma vistoria semanal para eliminar focos de reprodução do mosquito Aedes aegypti Breno Esaki/Agência Saúde DF

Nathalie Hanna Alpacada CNN*

no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

Entre o início de 2021 e o primeiro dia de 2022, o Brasil registrou um aumento de 32,7% nos casos de chikungunya em relação ao mesmo período do ano anterior, segundo o primeiro boletim epidemiológico do Ministério da Saúde divulgado neste mês.

De 3 de janeiro de 2021 a 1º de janeiro deste ano, foram registrados 96.288 mil casos. A taxa de incidência é de 45,1 casos por 100 mil habitantes. A região Nordeste registra o maior número de casos da doença, seguida das regiões Sudeste e Centro-Oeste.

Foram confirmadas 14 mortes pela doença por critério laboratorial e 27 permanecem em investigação. Seis ocorreram no estado de São Paulo. Pernambuco e Espírito Santo registraram dois óbitos em casa um.

Bahia, Minas Gerais e Sergipe registraram apenas uma morte em cada. No ano passado, foram confirmados por critério laboratorial 26 óbitos e 21 estavam em investigação no país.

“Tivemos um período muito chuvoso no verão até agora. A chuva em excesso não é tão favorável ao mosquito, mas quando ela é seguida por um período de calor muito forte, isso ativa o metabolismo do inseto e pode ter um grande aumento na transmissão dessas doenças”, afirma o infectologista Celso Ramos.

“O fato de termos uma epidemia de Covid-19 não impede que tenhamos uma epidemia de chikungunya, o que não é o caso no momento”, ressalta.

Em relação à dengue, o Brasil teve uma queda no número de casos no mesmo período.

De acordo com o boletim, houve uma redução de 42,6 % em comparação com o ano de 2020. Entre janeiro de 2021 e o primeiro dia de 2022, foram 544.460 mil casos.

A taxa de incidência da doença é a mesma que a chikungunya, com 45,1 casos a cada 100 mil habitantes.

Até a semana 52 (26 de dezembro à 1º de janeiro), foram confirmados 371 casos de dengue grave (DG) e 4.409 casos de dengue com sinais de alarme (DSA), quando o doente apresenta febre alta e vômitos frequentes.

Neste período, foram confirmadas 240 mortes por dengue e 62 casos estão sendo investigados.

Os estados que apresentaram o maior número de óbitos foram, São Paulo, com 59 ocorrências, Paraná, com 28, Goiás, com 24, Ceará, com 20, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal, com 13 e 12 casos, respectivamente. Em 2020, as mortes por essa doença chegaram a 541.

Com relação aos dados de Zika, ocorreram 6.483 mil casos prováveis até a semana 50, que vai de três de janeiro a 18 de dezembro até 2021. A taxa de incidência é de 3 casos por 100 mil habitantes.

Os dados representam uma queda de 12% no número de casos do país comparado ao ano anterior. Desde 2020 até o momento, não há confirmação da ocorrência de óbito para Zika no Brasil.

A chikungunya, a dengue e a Zika são transmitidas pela picada do mosquito Aedes. De acordo com a Fiocruz, o principal transmissor é o Aedes aegypti. A chikungunya também pode ser propagada pelo Aedes albopictus, outra espécie de mosquito.

Apesar de ser disseminadas pelo mesmo mosquito, os sintomas dessas doenças são diferentes. Na chikungunya, os sintomas mais comuns são: febre alta de início rápido, dores intensas nas articulações dos pés e mãos, além dos dedos, tornozelos e pulsos.

Também podem ocorrer dores de cabeça e musculares, além de manchas vermelhas na pele.

Já a dengue pode ser assintomática ou levar a casos graves e à morte. Normalmente, a primeira manifestação da dengue é a febre alta de início abrupto, acompanhada de dor de cabeça, dores no corpo e articulações.

Também são comuns a prostração, fraqueza, dor atrás dos olhos, erupção e coceira na pele, perda de peso, náuseas e vômitos.

A Zika, que geralmente apresenta uma evolução benigna, tem como sintomas a vermelhidão nos olhos, coceira, febre baixa, dor de cabeça, dores leves nas articulações e manchas vermelhas na pele.

Sob supervisão de Helena Vieira

Mais Recentes da CNN