Casos de Covid aumentam 23% nas Américas; Brasil está entre exceções, diz Opas

Organização também alertou que a América do Norte pode estar enfrentando uma recaída como na Europa

Jovem é vacinado contra Covid-19 no Rio de Janeiro
Jovem é vacinado contra Covid-19 no Rio de Janeiro Reprodução/CNN

Anthony Boadleda Reuters

Ouvir notícia

(Reuters) – Os casos de Covid-19 aumentaram 23% nas Américas na semana passada, principalmente na porção norte do continente, e quase todos os países da América do Sul, exceto Brasil, Suriname e Venezuela, estão relatando uma incidência crescente de infecções, disse a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) nesta quarta-feira.

A Opas também alertou que a América do Norte pode estar enfrentando uma recaída como na Europa, com os Estados Unidos e o Canadá reportando taxas crescentes de novos casos.

Em contraste, na América Central houve uma redução de 37% nas novas infecções.

“Embora os casos tenham diminuído significativamente nos últimos meses, a transmissão da Covid ainda está ativa em nossa região, então cada vez que baixamos a guarda, o vírus ganha impulso”, disse a diretora-geral da Opas, Carissa Etienne.

Ela alertou que a experiência da Europa, onde muitos países relataram números recordes de novos casos nas últimas semanas, pode ser um reflexo do futuro nas Américas.

Embora 51% das pessoas na América Latina e no Caribe tenham sido totalmente vacinadas contra a Covid-19, há 19 países onde a cobertura vacinal está abaixo de 40% de sua população.

A Opas disse que as altas de casos ocorrem principalmente em áreas densamente povoadas onde as medidas de prevenção ao vírus foram suspensas ou relaxadas.

Com a aproximação da temporada de fim de ano e férias de verão no Hemisfério Sul, Etienne incentivou as pessoas a continuarem usando máscaras e mantendo o distanciamento social.

“Nossa região testemunhou um grande salto em novos casos após a temporada de fim de ano do ano passado e levou meses para os países reduzirem a incidência de novos casos”, disse ela.

Mais Recentes da CNN